Pesquisar este blog

Carregando...

29 de julho de 2015

O Jogo da Amarelinha, de Júlio Cortázar, e o que direciona estórias


S
em entrar no mérito das numerosas discussões filosóficas sobre o assunto, podemos classificar as estórias pelo elemento que mais fortemente as direciona: os personagens ou a trama.
Estórias plot-driven, direcionadas pela trama, são aquelas onde os personagens não são muito aprofundados e a ação fica em primeiro plano. Geralmente são estórias que seguem à risca a recomendação de Anton Chekhov de remover tudo o que não tem relevância para a trama: tudo que acontece ou aparece precisa ter um objetivo definido.
Em um outro extremo, o elemento preponderante nas estórias character-driven são os personagens. Neste caso, as divagações filosóficas e digressões diversas que fogem da trama principal não apenas são aceitáveis, como bem vindas.
Livros com estórias character-driven são os famosos “livros de cabeceira”, que para serem apreciados precisam ser lidos aos poucos, com o leitor entrando na vida dos personagens e curtindo cada pequeno momento.
“Se no primeiro capítulo você descreve um rifle na parede, ele precisa ser utilizado no máximo até o terceiro. ”
Anton Tchekhov, escritor e dramaturgo russo

Um belo exemplo de livros nesta linha é “O Jogo da Amarelinha”, de Julio Cortázar. A obra apresenta a vida de Horácio Oliveira, argentino que, vivendo em Paris, se reúne com um grupo de amigos intelectuais que se autodenomina “Clube da Serpente”. Enquanto os membros do grupo discutem arte, política, música e filosofia, em interessantes divagações, Lúcia, namorada de Horácio, encara a vida de uma forma muito mais simples, invejando a capacidade dos demais de realizar debates profundos, mas sendo muitas vezes a expressão real de um ideal que eles procuram.
O livro acompanha as idas e vindas de Horácio e da “Maga”, como ele chama Lúcia, que refletem as dúvidas existenciais do protagonista, que o perseguem mesmo depois de ele perder o contato com a Maga e retornar à Argentina, vivendo novas experiências com outros interessantes personagens.
Sendo considerada uma das primeiras obras surrealistas da literatura argentina, um dos grandes atrativos do livro é a forma como foi construído: ele pode ser lido de diversas formas diferentes. Como o título dá a entender, o objetivo do autor é que o leitor tenha a liberdade de saltar capítulos, lê-los fora de ordem e, ainda assim, entender a história. Já no prefácio, Cortázar adverte que o leitor pode ler os primeiros 56 capítulos e dispensar todos os seguintes (são 155 ao todo), ou pode procurar formas de ler o livro como um todo, apresentando algumas sugestões de sequências que podem ser seguidas.
Lendo alguns ou todos os capítulos, a história é a mesma: a busca de Horácio por um sentido para sua existência e uma forma menos restritiva de encarar a vida, representada pela visão que a Maga tem do mundo. O que muda são as divagações, o entendimento dos segredos por trás de cada personagem, que a cada nova leitura se desdobram em novos níveis de profundidade.
Vale a pena!

E você, que tipo de livros gosta de ler, e qual livro o marcou mais? Comente e compartilhe !

Gostou? este post!

20 de julho de 2015

Escrever histórias é difícil?


E
screver histórias é fácil, muito mais do que parece à primeira vista!
Desde crianças temos a capacidade de contar histórias, o que falta à maioria das pessoas é simplesmente o treino para colocar estas histórias no papel.
É um pouco disso que fazemos aqui no Vida de Escritor, mostrar formas fáceis de enfrentar esta questão, cujas barreiras são muitas vezes mais psicológicas do que técnicas.
Para não dizer que esta ideia é estapafúrdia e tirada de nossa cabeça, citamos uma frase de José Saramago, Nobel de Literatura em 1998:

“Somos todos escritores. Só que uns escrevem, outros não.”


José Saramago

"“O que é escrito sem esforço, geralmente é lido sem prazer”
Samuel Johnson, expoente literário inglês dop século XVIII

Uma outra opinião a respeito, mais bem humorada, é a de Pablo Neruda, poeta chileno que dispensa apresentações:

“Escrever é fácil: Você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca ideias.”


Pablo Neruda
No entanto, se escrever é fácil, escrever bem demanda mais do que simplesmente vontade. Como em qualquer profissão, o que diferencia o iniciante do especialista é a o somatório de anos de persistência, de aperfeiçoamento, de busca pelas melhores técnicas de trabalho.
Não tenha receio de começar a escrever, mas se quiser levar a sério este lado, tenha em mente a frase de Samuel Johnson, poeta, ensaísta, novelista, biógrafo e crítico literário inglês que viveu no século 18 e que é descrito pelo Oxford Dictionary of National Biography como “o mais notável homem de letras na história da Inglaterra”.
Com sua visão aguda, Dr. Johnson, como era conhecido, sintetizou em uma frase o que deveria ser a filosofia de vida e de trabalho de todo escritor que se preza:

“O que é escrito sem esforço, geralmente é lido sem prazer”


Samuel Johnson


E você, tem uma "frase de cabeceira" que lhe orienta na profissão de escrever? Compartilhe conosco!

Gostou? este post!

7 de julho de 2015

Bate-papo com Eduardo Spohr


H
á algum tempo, fiz uma breve entrevista por e-mail com o Eduardo Spohr para o livro sobre técnicas de produção literária que estava escrevendo, e que deve ser lançado no segundo semestre deste ano.
A entrevista, por motivos diversos, acabou não entrando no livro, mas como dicas de autores de sucesso como o Eduardo são sempre bem vindas, vou compartilhar aqui com vocês.
Divirtam-se!
Pergunta: Quais as “7 dicas essenciais” que você daria para outros escritores?
Resposta
: Olá Alexandre e olá aos leitores do blog. Obrigado pela oportunidade da entrevista. Em relação às sete dicas, creio que todas podem ser resumidas em uma: escrever. Parece simples, mas é o que, no geral, as pessoas mais têm dificuldade. É importante estabelecer, antes de pensar em qualquer outras coisa, um processo de concentração que nos obrigue a parar e a pôr a mão na massa, concretizando nossas ideias.
"É importante estabelecer um processo de concentração que nos obrigue a parar e a pôr a mão na massa, concretizando nossas ideias."

Pergunta: Como você começou sua carreira de escritor?

5 de junho de 2015

Workshop de Escrita de Ficção e Dúvidas de Escritores!


E
stamos a apenas uma semana da sexta edição do Workshop de Escrita de Ficção, que vai acontecer nos dias 13 e 14 de junho, em Brasília.

Para quem ainda não sabe, a proposta deste workshop é apresentar ferramentas práticas, bem objetivas, que ajudam a organizar o trabalho de produção de um livro, desde a premissa inicial, que valida se sua ideia é capaz de sustentar uma trama inteira, até a parte final, com técnicas para melhorar tornar seu texto algo que o leitor não consegue largar.  Cada apresentação é seguida de exercícios práticos, onde você não só vai fixar o conhecimento e tirar dúvidas, como também poderá já organizar as ideias de sua próxima obra.

O resultado é tão útil para quem está começando quanto para quem já escreve faz tempo, mas mantém o desejo de aperfeiçoamento contínuo através da troca de experiências com outros escvritores.

Saiba mais detalhes, incluindo a agenda do evento e alguns depoimentos de participantes de edições anteriores, no site do Workshop de Escrita de Ficção.

Neste post retomamos a série Dúvidas de Escritor, respondendo a perguntas sobre registro de ISBN, bloqueio criativo e sobre o medo de enfrentar uma carreira como a de escritor.
Aproveitem, divirtam-se e comentem!

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira
e Alexandre Lobão convidam escritores e outros profissionais do mercado livreiro e literário para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. 
Sempre é bom lembrar que em maio deste ano lançamos um e-book com 61 contribuições de escritores e profissionais do mercado.  E estamos agora juntando contribuições para a próxima edição!  Então, se você é escritor iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, se é editor, capista, ilustrador, revisor, agente literário ou mesmo um leitor ávido com algo para compartilhar, não perca tempo e envie sua contribuição para esta série de artigos!
Esta semana,  Escriba Encapuzado publicou a participação de Caio Rodrigues Alves, jovem carioca que atua como empreendedor, empresário e escritor romancista. Conheça mais sobre seu trabalho mais recente, O Segredo das Runas nas páginas do livro no FaceBook e Skoob.
* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.

 
Questão: Quanto ao registro no ISBN, é conveniente fazer antes de enviar o original às editoras, como garantia?
Resposta: O registro do ISBN é realizado apenas por editoras, e é único para cada edição do livro. Você provavelmente pensou no registro do livro na Biblioteca Nacional, que este sim, sempre é bom fazer. Custa só R 20,00 e pode ser feito pelo correio (e em breve por um sistema informatizado); confira os detalhes na área de serviços do site da Biblioteca Nacional.
"O segredo do Sucesso é definir metas que dependam apenas de você - e trabalhar dia e noite, sem esmorecer, até atingí-las."