Pesquisar este blog

Carregando...

10 de setembro de 2014

Dicas para criar melhores aberturas em seus livros


Há muitas formas de se iniciar - e se terminar - uma história.
As histórias de Neil Gaiman, eventualmente, começam com uma música e terminam com uma pequena dança à beira-mar.
Markus Zusak já começou - e terminou - uma história com uma cor.
Suponho que as histórias de Jean Angelles comecem com um sonho, e terminem com um sorriso.
E que as de André Vianco comecem com um pesadelo, e terminem com um nó na garganta ou um grito de triunfo.
Já as histórias de Felipe Colbert começam com uma desafio à imaginação, e terminam com um suspiro de alívio.
Como disse, há muitas formas para se iniciar e terminar histórias.
O curioso é que todo escritor sabe o final de sua história antes mesmo de começá-la.

Curioso, mas verdadeiro:
saber o fim do caminho dá a direção do primeiro passo.
Minhas histórias, normalmente, começam com imaginação regada a fatos e ideias, e terminam após muita pesquisa e paixão.
"Não acredite no que vê em filmes hollywoodianos: a maioria dos escritores só escreve a primeira linha após ter uma boa noção de qual será a última"
O ponto importante é que a abertura de seu livro é o que "vende" o livro para seu leitor - às vezes literalmente, pois é a partir dela que você pode ganhar (ou perder) o leitor, ainda na livraria.
Para isso, é importante que você tome especial cuidado com o primeiro parágrafo do livro, de forma a trabalhá-lo para garantir o máximo de impacto possível.  Alguns exemplos muito bons:
  • “No dia em que o matariam, Santiago Nasar levantou-se às cinco e meia da manhã para esperar o navio em que chegaria o bispo." ("Crônica de uma Morte Anunciada", de Gabriel Garcia Marques)
  • "É muito difícil – ou inútil – datar o início desta história. Ela está começando hoje, aqui e agora, talvez só comece realmente amanhã, mais tarde ainda, ou nunca, talvez. Sei que esta história existe, está escrita e inscrita em minha carne, mas creio que ela não teve um início preciso, nem mesmo no dia em que resolvi dar nome ao meu pau.” ("Pilatos", de Carlos Heitor Cony)
  • “Algum tempo hesitei se devia abrir estas memórias pelo princípio ou pelo fim, isto é, se poria em primeiro lugar o meu nascimento ou a minha morte. Suposto o uso vulgar seja começar pelo nascimento, duas considerações me levaram a adotar diferente método: a primeira é que não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi outro berço; a segunda é que o escrito ficaria assim mais galante e mais novo.” ("Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis)
O segredo é o autor colocar uma cena de impacto já nas primeiras linhas, de forma a provocar a curiosidade do leitor de maneira imediata. 
Mas e quando seu livro começa, digamos, "meio devagar"? O que fazer se você precisa apresentar os personagens e seu status quo, para que sua posterior destruição provoque um maior impacto no leitor.
Nestes casos, há dois truques que podem ajudar.
O primeiro tem o sofisticado nome em latim "en media res", que basicamente significa "começar pelo meio": ao invés de começar se livro pelo primeiro capítulo, coloque uma cena de alto impacto em primeiro lugar, para depois iniciar a história.  Por exemplo, ao invés de iniciar a história com o casal feliz tomando café da manhã, comece pela cena que vai acontecer dez capítulos depois, quando ele entra em casa e encontra uma frase escrita em sangue na parede mais próxima.  O leitor levará um choque, e quando começar a ler o próximo capítulo, com a adrenalina a mil, vai entender que ela se passa algum tempo antes do capítulo anterior, uma vez que a vida ainda está normal.
O segundo truque é, simplesmente, incluir um spoiler do que virá para gerar tensão no leitor.  Por exemplo:
  • Sem spoiler: "Beijou sua esposa e saiu para o dia belo e ensolarado. Antes de entrar no carro, olhou para ela com carinho e acenou, com um sorriso."
  • Com spoiler:: "Beijou sua esposa e saiu para o dia belo e ensolarado. Antes de entrar no carro, olhou para ela com carinho, como se fosse a última vez que a veria. E realmente era."
Os exemplos obviamente são simplistas e um pouco forçados, mas deixam bem claro o ponto: comece com uma abertura de impacto, e garanta o engajamento imediato leitor - especialmente se sua história não inicia de maneira muito empolgante.
E, obviamente, a partir daí garanta a tensão crescente na obra - cuidado com as quebras de ritmo que derrubam o leitor! - e conclua sua obra de forma retumbante!
Mas isso é assunto para um próximo post...

E você, alguma dica sobre aberturas? Alguma outra dúvida? Pode perguntar!

Gostou? este post!

19 de agosto de 2014

O muito comum lugar-comum, por J. B. Oliveira

Quem acompanha o Vida de Escritor sabe que não é comum que eu publique artigos de outros escritores... As honoráveis exceções são realmente isso, honoráveis... E me perdoem pelo lugar comum...
Com vocês, um texto do incomparável  J.B.Oliveira!


lugar-comum. S. m. 1. Fonte de onde se podem tirar argumentos, provas etc., para quaisquer assuntos. 2. P. ext. Fórmula, argumento ou ideia já muito conhecida e repisada. 3. Trivial; trivialidade. [Sin., nas acepções 2 e 3: chapa, chavão, clichê. Pl.: lugares-comuns.]
 
É o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa que assim define o verbete lugar-comum. A primeira acepção é branda, amigável. As duas outras são mais severas, condenatórias, indicando que sua utilização não é recomendável por traduzir redundância ou irrelevância. Em outras palavras: ou consiste na repetição de fórmulas muito conhecidas e repisadas – na acepção número dois – ou se refere a banalidades, vulgaridades mesmo, no sentido número três.

Por representar uma forma de empobrecimento da língua, o lugar-comum torna-se um vício de linguagem, ao lado de tantos outros, igualmente condenáveis, como: pleonasmo, plebeísmo, barbarismo, solecismo e que tais, todos comprometedores da beleza e estética do idioma.

O interessante é que, às vezes – e felizmente – alguns deles caem em desuso e acabam no esquecimento. Até porque outros vêm ocupar seu lugar nas mensagens da mídia e dos comunicadores (querem a aplicação de um lugar-comum? Então aí vai: “dos comunicadores de plantão!”).

5 de agosto de 2014

7 Coisas que aprendi - com Ben Oliveira e Max Velati !!

7 Coisas que aprendi
Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores e outros profissionais do mercado livreiro e literário para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. 

Em maio deste ano, lançamos um e-book com 61 contribuições, entre escritores e profissionais do mercado.  E estamos agora juntando contribuições para a próxima edição!

Então, você já sabe: Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Esta semana temos duas novas participações para a série. 

No Escriba Encapuzado Ben Oliveira, escritor e jornalista, dá sua contribuição.

E aqui no Vida de Escritor, o escritor veterano e ilustrador Max Velati apresenta uma das mais inspiradas e com certeza a mais original contribuição para a série!
Com vocês, Max Velati!

23 de julho de 2014

Dúvidas de Escritores sobre livros infantis e de terror, como desenvolver personagens secundários e processo de escrita


C
omo recebi muitas dúvidas nas últimas semanas, o jeito foi publicar dois posts seguidos da série Dúvidas de Escritor.

Então, você já sabe como funciona: Envie suas dúvidas para o Vida de Escritor, por email ou comentando aqui no blog, e terei prazer em responder - e ainda mais prazer em descobrir a resposta, caso eu não saiba!

Vamos, então, a mais uma compilação de perguntas e respostas neste post da série Dúvidas de Escritor.

Pergunta: Quando escreve seus livros você pensa em determinada faixa etária para a criança? É diferente escrever para uma criança de 7 e para outra que tenha 11 anos...
Resposta: Sim, isso é essencial. A história precisa ter CONTEÚDO e FORMA/LINGUAGEM adequados à faixa etária, senão o livro não funciona. Uma possível organização é:
Nível de leituraDescrição
pré-leitores Livros sem texto para antes da alfabetização
leitores iniciantes Livros para o período de alfabetização
leitores autônomos Livros curtos para leitura independente
leitores críticos Livros juvenis para pré-adolescentes
leitores críticos e independentes Adolescentes, jovens e adultos
Veja que não é bem por faixa etária, mas por nível de leitura; usualmente as coisas estão associadas: uma criança com nível de leitura avançado para sua idade provavelmente também tem maturidade mais avançada.


Pergunta: Estou escrevendo onde busco abordar nos poemas temas que as crianças gostam: imaginar, tecnologia, animais, etc. Tento escrever os poemas de forma que as crianças utilizem bastante a imaginação. Você acha que estou no caminho? Pela sua experiência, do que você acha que as crianças gostam?
Resposta: Já ouvi dizer de um escritor experiente que “as crianças são mais poesia do que prosa”, elas pensam de maneira mais livre, então acredito que a poesia tem mais apelo para elas, desde que não seja surrealista a ponto de ser incompreensível. Então, sim, acho que você está no caminho certo.
Quanto ao que as crianças gostam... Depende muito! Meninos gostam de meleca, rolar na lama, brincar e brigar, misturando as duas coisas, correr na chuva, subir em árvores, gritar e dominar o mundo. Meninas gostam de casinha, de bonecas, de se vestir de mãe e de conversar com seus animais de pelúcia. Ou não, de repente tudo isso é só clichê... Mas pelo menos com meu filho e minha filha – tenho um casal – foi assim!!
"Escrever é pensar. Escrever bem é pensar claramente. Por isso é que é tão difícil escrever"
David McCullough, autor e historiador americano
Pergunta:
Preciso de fazer um livro em que o tema é o a morte de alguém, sendo que precisa se passar em um acampamento. Teria alguma dica ?