Pesquisar este blog

Carregando...

2 de fevereiro de 2016

Dicas essenciais para definir metas para a carreira de escritor






odo início de ano publico um post sobre metas para o ano, falando não das minhas metas (ok, talvez um pouco disso também...), sempre com o intuito de ajudar aos colegas escritores.

Este ano, como vocês devem ter reparado, demorei um pouco para isso.  O motivo é o mesmo que me fez diminuir o ritmo das publicações aqui no Vida de Escritor: Estou passando por uma completa reavaliação de tudo em minha vida.
Às vezes a realidade nos bate com tanta força que passamos por um período de stress pós-traumático que leva meses, possivelmente anos.
Tudo isso, infelizmente, é matéria prima para o escritor: afinal, só conseguimos escrever com convicção sobre aquelas coisas que conhecemos profundamente.
Até por isso, em se falando de metas, a primeira dica deve ser sempre essa: Escreva sobre o que você conhece. Não sobre o que está na moda, não sobre o que você acha que vai fazer sucesso, mas sobre aquilo que você gosta e que você realmente tenha vivenciado - ainda que na imaginação.
"Considero minhas obras como cartas que escrevi à posteridade, sem esperar resposta"
Heitor Villa-Lobos, músico modernista que dispensa apresentações
Um outro ponto essencial para definir suas metas na carreira de escritor é descobrir porque você escreve.
Já listei, em diversos posts, frases de efeito de diversos escritores sobre este assunto.  No entanto, o que quero é pedir que você realmente se questione sobre isso. Coloque-se do lado de fora de sua mente, olhe para si mesmo e se pergunte, sem medo da resposta: Por que, afinal, você escreve?  Quer deixar algo seu para a posteridade? Quer colocar para fora uma história que não te deixa pensar? Quer registrar a história de alguém que é ou foi importante para você? Quer ganhar dinheiro, fama? Quer melhorar seu currículo? Disseminar uma ideia?

12 de janeiro de 2016

7 Coisas que aprendi, com Raimundo Rodrigues

"7 Coisas que aprendi" é uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, onde T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores e outros profissionais do mercado livreiro e literário para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. 

Sempre é bom lembrar que em maio deste ano lançamos um e-book com 61 contribuições de escritores e profissionais do mercado.  E estamos agora juntando contribuições para a próxima edição!  Então, se você é escritor iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, se é editor, capista, ilustrador, revisor, agente literário ou mesmo um leitor ávido com algo para compartilhar, não perca tempo e envie sua contribuição para esta série de artigos!

Como falei anteriormente, devido a motivos parrticulares esta série aqui no Vida de Escritor está um pouco devagar. Felizmente, o amigo T.K. não deixa a bola cair, e nos últimos dois meses publicou três novas contribuições, com os escritores Rafael Schultz, Maurem Kayna e Irka Barrios.

Esta semana o Vida de Escritor traz a contribuição de Raimundo Rodrigues, escritor de "Um Presente para Jesus" e "Amigos para Sempre".
  1. Leia vários livros e faça workshops para conhecer técnicas e teorias. Isso tudo, em harmonia com a sua criatividade, despertará o escritor que há em você.
  2. Aceite as regras, pois elas são suas aliadas na construção de uma linguagem universal.
  3. Na caminhada vá descobrindo, principalmente, o seu jeito escritor de SER.
  4. Não deixe que as adversidades diárias roubem o seu melhor - talvez elas possam contribuir para sua obra.
  5. Lembre-se: Todos temos uma história para contar. Quem sabe ser a sua história cria uma Luz que vai iluminar o caminho dos leitores.
  6. Escreva. Escreva uma linha. Escreva um parágrafo. Escreva um texto. Escreva uma história, contudo escreva algo que valha a pena alguém ler. Ainda que este alguém seja você.
  7. Desistir jamais. Editoras são caminhos. Persistir sempre. E vai chegar um momento em que sua obra vai encontrar o caminho certo para ser publicada. E quando isso acontecer: Agradeça, celebre e comece a escrever o próximo livro.
 Sobre o autor:
Raimundo Rodrigues é empregado público. Autor de "Um presente para Jesus", um livro baseado em fatos reais. A obra retrata a vida de um empresário que tinha muitos Conhecimentos, Habilidades e Atitudes, mas que não foram suficientes para fazer dele um homem de sucesso, levando-o a passar por uma série de acontecimentos o fazem refletir sobre o verdadeiro valor da vida. Disponível na Livraria Saraiva, no Site da livraria Folha São Paulo e pela Editora Kiron; e do livro "Amigos para Sempre", pela Editora Amazon.

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.

Veja a opinião de outros autores no  Vida de Escritor e no Escriba Encapuzado.
Até o post que vem - e enquanto isso pensem em SUAS 7 coisas e enviem suas contribuições

Gostou?  este post!

30 de dezembro de 2015

Afinal, o que são e como funcionam as Oficinas de Escrita Criativa? - Parte 3

F
echando o ano e a série de posts sobre oficinas literárias, seguimos com as respostas às perguntas do trabalho de Yan Patrick Brandemburg Siqueira , mestrando do curso de Estudos Literários pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), que está produzindo uma tese sobre oficinas literárias de escrita criativa.
Só lembrando do que se trata: Como parte de seu trabalho o Yan Patrick está conduzindo entrevistas com diversos
escritores que promovem oficinas de escrita criativa pelo Brasil, e tive a honra
de ser um dos entrevistados.

Leia aqui o primeiro e o segundo post.
Nunca acredite em um professor que tente lhe ensinar 'a única' ou 'a melhor' forma de escrever. Não existe tal coisa!
Yan Patrick: De modo geral, qual o perfil dos alunos interessados na oficina? É possível traçar algum parâmetro?
Alexandre Lobão, pelo Vida de Escritor: Não há um perfil geral. Há normalmente mais mulheres que homens; mais pessoas a partir de 50 anos; menos pessoas com menos de 20 anos. Geralmente há dois ou três roteiristas por turma. Mas tudo isso varia muito: já tive uma turma com um terço de participantes com 18 anos ou menos. Já tive alunos de 13 anos

17 de dezembro de 2015

Afinal, o que são e como funcionam as Oficinas de Escrita Criativa? - Parte 2

C
ontinuando a série de posts sobre oficinas literárias, seguimos com as respostas às perguntas do trabalho de Yan Patrick Brandemburg Siqueira , mestrando do curso de Estudos Literários pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), que está produzindo uma tese sobre oficinas literárias de escrita criativa.
Só lembrando do que se trata: Como parte de seu trabalho o Yan Patrick está conduzindo entrevistas com diversos
escritores que promovem oficinas de escrita criativa pelo Brasil, e tive a honra
de ser um dos entrevistados.
Este é o segundo post de uma série de três, com as questões levantadas na entrevista que, acredito,  podem ajudar a quem quer entender melhor este mundo.
Leia aqui o primeiro post.
Todo autor precisa montar sua 'caixa de ferramentas' particular, adequada ao seu modo de escrever. E para tanto, precisa conhecer as ferramentas disponíveis.