Pesquisar este blog

Carregando...

17 de novembro de 2016

Tudo o que você gostaria de saber sobre como escrever e publicar um livro mas não tinha para quem perguntar


E
m 2010 produzi uma primeira versão de um livro chamado provisoriamente de "Tudo o que você gostaria de saber sobre como escrever um romance pronto para o sucesso mas não tinha para quem perguntar". 
Cheguei, na época, a escrever um post com uma lista de livros que apresentavam orientações sobre como escrever um livro, publicado com o título de Tudo o que você queria saber sobre como escrever um livro, onde eu mencionava este meu futuro trabalho.
DDe lá para cá foram quase 6 anos de aprendizado, de crescimento como ser humano e como escritor. Neste tempo, além de ultrapassar a barreira dos 10 livros publicados (hoje são 12 livros publicados, sem contar os 6 livros técnicos e participações em múltiplas coletâneas), apresentei 11 edições do Workshop de Escrita de Ficção, sendo 8 destas abertas para o público em geral.
Neste tempo, minhas certezas sobre o que é necessário para escrever, sobre como conseguir uma editora, sobre as diferentes formas de se publicar o livro e as maneiras de divulgá-lo sofreram grandes mudanças, deixando em no lugar apenas uma grande certeza: O que e escrito sem esforço, geralmente é lido sem prazer.
A frase é de Samuel Johnson, e a primeira vez que a ouvi foi dos lábios do atual editor da Trampolim, Victor Tagore, que na época era editora da Thesaurus editora.
“O que é escrito sem esforço, geralmente é lido sem prazer”  
Samuel Johnson, escritor, poeta, ensaísta e crítico literário inglês do século XVIII
Em meu livro sobre técnicas de escrita, que assumiu o título de "A Bíblia do Escritor" agora que foi publicado, busquei refletir esta certeza da melhor forma possível: mostrando que não há uma forma certa de escrever um livro, mas muitas. Da mesma maneira, não há uma única forma de publicar um livro (papel ou virtual? Edição completa ou impressão sob demanda? Por conta própria ou por uma editora?), e nem uma "fórmula de sucesso" para fazer seu livro chegar aos leitores.
Meu objetivo com o "A Bíblia do Escritor" não foi mostrar um caminho, mas vários. Quando dou uma visão geral sobre o processo de escrita, por exemplo, fiz questão de destacar os escritores que fazem muito sucesso dentro de cada processo:
Estes escritores são a prova de que não há uma forma "correta" de se escrever um livro, uma "fórmula do sucesso", ou algo "obrigatório" a ser seguido neste processo; e qualquer pessoa que diga o oposto deve ser desconsiderada como mal informada ou mal intencionada.
Quanto a mim, escrevo de uma forma diferente destas; o mais usual é que eu estruture o texto antes de escrever, mas já produzi pelo menos dois livros usando o método de "sentar e sair escrevendo". Já falei sobre isso em outros posts, mas posso aprofundar o assunto caso vocês se interessem.
Embora não haja uma "forma correta" de se escrever, ouso dizer que há, sim, alguns pontos que devem ser atingidos no resultado final: Os personagens precisam ser convincentes, coerentes e interessantes, o leitor precisa se importar com eles. O texto precisa ser escrito de forma a ser atrativo ao seu público alvo. A trama deve ser envolvente, o leitor precisa se interessar em descobrir "onde aquilo vai dar". E por aí vai.
Independente da forma que você escreva, e até mesmo do resultado que deseja atingir, há apenas uma certeza: O leitor precisa sentir prazer na escrita. E conseguir um texto que dê este efeito não "acontece por acaso", é necessário revisar muito, evoluir muito o texto desde a versão inicial. Não se iluda, só com esforço e dedicação é que se consegue este efeito.
 O que faço em "A Bíblia do Escritor" é basicamente isso: apresento ferramentas práticas para organizar a produção de um romance ou roteiro de longa metragem, indicando as vantagens de usar cada ferramenta e os prós e os contras de cada processo de escrita, de forma a você poder selecionar aquelas técnicas que têm o potencial de efetivamente melhorar seu método particular de trabalho.
E como estou sempre aprendendo, estou sempre aberto a ideias tanto para a segunda edição do livro quanto aqui para o blog. Até porque a melhor qualidade de qualquer profissional, em qualquer área, é ter a certeza de que sempre há o que aprender e estar aberto a isso.

E você, tem um processo particular de escrita? Comente e compartilhe com os colegas!


Gostou? este post!

25 de outubro de 2016

Sobre premissas de histórias centradas em personagens

S
eguindo o pedido de alguns colegas, hoje vou falar um pouco sobre livros centrados em personagens.
Vejam, boa parte do que falo aqui no blog serve para qualquer 'tipo' de livro de ficção: diálogos, dicas de revisão, ritmo, leitura crítica, mercado, estrutura da cena, ponto de vista, e muitos etc.
No entanto, recentemente estive revisando as dicas sobre premissa estruturada, pontos de virada e estruturação da trama, e percebi que embora possa ser utilizadas em qualquer caso, as histórias centradas em personagens (em contraste com as centradas na trama) se enquadram melhor com alguns ajustes.
Quando falo de premissa estruturada em meus workshops, eu apresento para os participantes os elementos que devem estar presentes na premissa: O status quo (onde e quando a história se passa), a apresentação do protagonista, a apresentação do antagonista e os objetivos de cada um - que, invariavelmente, levarão ao conflito que faz a história ir em frente. “O gato deitou no tapete" não é o começo de uma história, mas "o gato deitou no tapete do cachorro” John le Carré, escritor britânico
Em histórias cujo foco é a trama, a figura do antagonista é tão significativa que já cheguei a chamá-lo de "herói do escritor", no post Vilões: os verdadeiros heróis dos escritores!, onde detalho mais estes pontos da premissa estruturada .
Obviamente, a existência de um antagonista faz a história crescer em ritmo e aumenta a ansiedade (e o interesse) do leitor em saber o que ocorre com o personagem principal.
No entanto...
No entanto, já perdi a conta de filmes belíssimos que vi, e livros maravilhosos que li, onde o antagonista simplesmente não existe.
Em histórias onde o foco é o personagem, a premissa pode ser uma pergunta muito mais aberta, restrita à apresentação do status quo, do protagonista e de algo que quebra sua rotina.
O conflito, que sempre é o coração da história (veja a frase de John de Carré no box deste post...), precisa existir. Mas não precisa ser um conflito com outro personagem. Em histórias centradas no personagem, o conflito pode ser simplesmente algo que mexe com o cotidiano ou as certezas do personagem, colocando-o em uma situação de exceção - que não necessariamente se resolve ao fim.
O filme francês Asphalte, por exemplo, é composto por pequenas histórias de pessoas comuns que têm sua rotina abalada por fatos mais ou menos relevantes - desde a chegada de uma nova moradora, uma ex-atriz que amplia os horizontes culturais de um garoto local, até o insólito caso de um astronauta americano que aterrissa por engano no teto de um prédio, e que leva uma senhora local a precisar hospedá-lo enquanto a Nasa procura um disfarce para esconder a falha que o levou ali.
Pensando de maneira aberta, podemos imaginar que a idade, a doença, a quebra da rotina que leva o personagem para fora de sua zona de conforto, o novo elemento que faz o personagem refletir sobre sua vida até aquele momento seriam os "antagonistas" destas histórias.
No entanto, a existência de um antagonista externo, um personagem que constantemente desafie o personagem e dificulte a sua vida, é algo que tem um poder incrível na definição do ritmo da história. O mais difícil no caso deste tipo de histórias centradas em personagens é justamente criar uma premissa - e, a partir dela, toda uma história - que se sustente sem este elemento.
O "segredo" - e só digo "segredo" porque também o é para mim, uma vez que não consigo ver uma "fórmula" para que isso aconteça - é criar personagens com quem o leitor se importa. Personagens que geram empatia, que, por si sós, deixem o leitor curioso o suficiente para continuar lendo.
Dois exemplos extremos, a meu ver, e que podem ajudar a entendermos melhor este tipo de história, são os protagonistas dos filmes O Curioso Caso de Benjamin Button e Peixe Grande, que mostram não vidas comuns, mas (pedaços de) vidas maravilhosas. Não há antagonistas, exceto, talvez, o tempo, e terminamos o filme com a sensação de querermos ter visto mais, ansiosos, mesmo, por rever o filme para conhecer um pouco mais aqueles personagens incríveis.
Há muitos anos que eu tinha a pretensão de escrever algo assim - inclusive mencionei a premissa do que seria o futuro "As Incríveis Memórias de Samael Duncan" (lançado em agosto de 2016 pela Bagaço Editora) no post Primeiras coisas primeiro: Por onde começar a escrever seu romance, cujo foco também é a premissa da história. Apesar de confiar na história, só tive a certeza de que "acertei o ponto" quando, ao conversar com Priscila Barbosa, a capista e ilustradora, ela mencionou que tinha gostado tanto do livro que após terminar de lê-lo leu de novo - e depois, mais uma vez. A capa e as ilustrações ficaram maravilhosas, mas o maior presente da Priscila para mim foi este comentário!
O segredo de criar personagens que interessam ao leitor?
Já publiquei alguns posts sobre personagens, mas este 'detalhe' ainda é um mistério para mim.
Eu os escrevo como se fossem pessoas reais, pessoas pelas quais me importo, pessoas que amo.
E isso parece funcionar.

E você, o que acha que faz diferença na criação de um personagem? Comente e compartilhe com os colegas!

Gostou? este post!

11 de outubro de 2016

A importância do hábito de escrever

S
ó há uma forma realmente comprovada de melhorar sua escrita: escrevendo.
Falando assim parece algo simplista, bobo até, mas a verdade é que não são poucos aqueles que dizem que "não escrevem bem", simplesmente, como se "escrever bem" fosse algo com que você nasce, e não algo que possa ser desenvolvido.

No livro "Fora de Série" (Outliers), Malcolm Gladwell lança a ideia de que as pessoas que são excepcionais no que fazem, "fora da curva", seja cantar, praticar esportes ou programar computadores, são aquelas que tiveram a oportunidade de começar a praticar o que gostam desde cedo em suas vidas, e ao atingir (pelo menos) 10.000 horas, chegaram a este "estado de excelência". Aí, quando assistimos seu sucesso, ficamos maravilhados com seu "dom"...

A minha opinião é que sim, a prática leva a perfeição.  No entanto (e reforço aqui que esta é apenas minha opinião, sem os estudos estatísticos que baseiam a obra de Gladwell), minha experiência de vida me diz que algumas pessoas têm facilidade para determinados assuntos, e dificuldades com outros. Assim, uma pessoa que tem facilidade para escrever pode atingir seu ápice antes das tais 10.000 horas; enquanto outra que tenha dificuldades com o tema provavelmente precisaria mais do que estas horas para se tornar uma sumidade. “Prática não é a coisa em que você é bom. É a coisa que faz com que você seja bom.” Malcolm Gladwell, escritor e jornalista britânico

Outro ponto que acredito é que as experiências são intercambiáveis em alguns casos.  Por exemplo, quem lê muito desenvolve uma certa facilidade para escrever, então é como parte das 10.000 horas necessárias para se tornar um excelente escritor pudesse ser "paga" com horas de leitura.

E é aí que reforço o poder - e a necessidade - de estabelecermos o hábito de escrever diariamente, se possível; no máximo a cada dois dias se não for. Se o hábito não faz o monge, com permissão para o trocadilho, o hábito pode sim fazer o escritor.
Independente de você acreditar ou não no que Malcolm Gladwell sugere em seu livro, é um fato incontestável que sua escrita só vai se melhorar com prática. E se você não tem o hábito de escrever, quando é que sua escrita irá melhorar?  E, acredite, por melhor que você escreva, sempre seus escritos atuais são melhores do que os de alguns anos antes.

Como todo hábito, estabelecer um hábito de escrita não é fácil. Na correira do dia a dia, nunca temos tempo para nada...  Ou será que temos?
Quanto tempo você passa por dia no WhatsApp, Facebook, Instagram ou sua rede social favorita, trocando ideias não necessariamente construtivas com amigos ou, muitas vezes, desconhecidos? Quanto tempo você perde passando de um canal para outra na TV, procurando algo para assistir? Ou vendo notícias repetidas em telejornais ou sites de informação? Ou jogando joguinhos repetitivos no celular?

A dolorosa verdade é que não nos falta tempo, o que falta é priorização. Falta vontade. Colocamos a culpa no cansaço, na falta de inspiração, em uma ou outra decepção que nos abate... Mas, apesar de tudo isso, continuamos com nossos antigos hábitos.

Estudos indicam que um hábito novo, em média, leva três meses para se estabelecer em nossa rotina, para "sentirmos falta" caso deixemos de fazê-lo algum dia, seja ele fazermos exercício em uma academia, deixar de fumar ou escrever um livro. Mas minha proposta para vocês é mais simples que isso.

Mais que uma proposta é um desafio: escolha AGORA um espaço de 30 minutos em sua agenda e reserve-o para escrever, todos os dias, sem interrupção. Pode ser no início do dia, no almoço, antes de dormir ou no intervalo das aulas. Você pode escrever no computador, no celular ou em papel, não interessa.  Escreva mesmo doente, mesmo se inspiração, mesmo que o mundo todo diga não. Escreva mesmo sem saber onde a história vai dar. Não se preocupe se o resultado está saindo bom, o que você está fazendo é meramente exercitar sua mente. E lembre-se que se você gostar do resultado, inspirado ou não, sempre será necessária uma revisão, então não perca tempo relendo ou revisando o que já fez: continue em frente, todos os dias, por um mês. 

Apenas um mês.  Eu garanto que sua vida e seu modo de ver a escrita vão mudar.

E você, conseguiu incluir em sua rotina o hábito de escrever? Tem alguma dica para os colegas? Compartilhe!

Gostou? este post!

31 de agosto de 2016

7 Coisas que aprendi - Por Rossana Cantarelli


"7 Coisas que aprendi" é uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, onde T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores e outros profissionais do mercado livreiro e literário para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. 

Sempre é bom lembrar que em maio deste ano lançamos um e-book com 61 contribuições de escritores e profissionais do mercado.  E estamos agora juntando contribuições para a próxima edição!  Então, se você é escritor iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, se é editor, capista, ilustrador, revisor, agente literário ou mesmo um leitor ávido com algo para compartilhar, não perca tempo e envie sua contribuição para esta série de artigos!

Esta semana temos no Escriba Encapuzado a contribuição de Marcos Mota, autor da série de fantasia Objetos de Poder.  Saiba mais sobre o autor e sua série em seu site oficial, e leia suas "7 coisas" no Escriba Encapuzado.

E aqui no Vida de Escritor temos a contribuição de Rossana Cantarelli, que nos oferece algumas pérolas daquele bom senso que muitas vezes falta a alguns escritores, justamente por nunca terem parado para pensar sobre isso. Aproveitem!
  1. Não basta ter uma boa história, ela tem que ser bem escrita. Invista em cursos de português.
  2. Leia muito, mas jamais tente copiar o estilo de alguém. Descubra qual seu estilo.
  3. Aceite críticas e aprenda com elas.
  4. Avalie muito bem a editora que está pretendendo publicar seu livro. Não se atire na primeira por desespero.
  5. Uma boa história tem que surgir naturalmente, sem cobranças. E ela surge, pode ter certeza.
  6. Está sem inspiração? Largue tudo, vá caminhar ou tomar uma cerveja com os amigos. Não insista.
  7. Acredite em você. Se você não acreditar, ninguém vai fazer isso por você. Coragem!
 Sobre a autora: Rossana Cantarelli Almeida é gaúcha de Santa Maria. Advogada e Analista Jurídica da Procuradoria Geral do Estado. Casada com Marcelo há 9 anos. Mãe do Cassio, 5 anos; madrasta do Arthur, 15 anos. Mesmo quando tudo parecia perfeito em sua vida, alguma coisa a angustiava. Sem saber direito o que era, e em confidências com seu marido, ele lhe disse uma noite: apaixone-se por você! E foi então que Rossana começou a escrever. Sua história foi tomando forma; personagens, diálogos, dramas iam surgindo na sua mente. Até que nasceu “Apenas Respire – Rock e perfume: paixão no ar”, seu primeiro romance, publicado pela Editora Multifoco. Já tem outros dois livros escritos, à espera de publicação. Seu livro pode ser encontrado no site da editora Multifico e na Livraria Cultura .

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.
Gostou das 7 dicas do Marcos? Quer aprender mais com a experiência de 58 escritores e mais 3 profissionais do mercado literário? Baixe agora o eBook gratuito da série 7 coisas que aprendi

Veja a opinião de outros autores no  Vida de Escritor e no Escriba Encapuzado.
Até o post que vem - e enquanto isso pensem em SUAS 7 coisas e enviem suas contribuições

Gostou?  este post!