2 de março de 2009

Escolhendo uma (boa) idéia para seu livro

Como saber se uma idéia é "boa"? Desnecessário dizer que "boa" é um conceito altamente discutível, mas vamos nos ater aqui a um "boa" que significa "boa o suficiente para criar um livro que seja mais facilmente aceito pela público leitor". E mesmo isso é discutível, uma vez que não há uma fórmula certa para o sucesso... Mas deixemos a filosofia de lado e vamos em frente! Comece avaliando sua "idéia candidata" com duas perguntas simples: Esta idéia é única? Por que vale a pena contá-la? Uma idéia só vale à pena ser contada, a meu ver, se tiver um "quê" de original. Se vou escrever uma cópia do Harry Porter, por que as pessoas comprarão meu livro, ao invés do livro original? Detalhe: o diferencial de sua idéia pode ser, por exemplo, o ponto de vista do personagem ou a forma de contar a história. Por exemplo, se quero escrever um livro sobre um homem que vira uma barata (como em "A Metamorfose", de Franz Kafka), posso ser original se minha idéia for escrever a história do ponto de vista das baratas... ;) Quanto à segunda pergunta, ela se refere a avaliarmos o cerne a idéia, a mensagem que a idéia passa, e não apenas a história em si. Voltando ao nosso exemplo, "A Metamorfose" não é na verdade uma história sobre um homem que vira barata, mas sim uma história sobre a desumanização das pessoas frente a uma sociedade industrial e um sistema burocrático e opressor. Assim, volte àquela sua idéia para escrever um romance e se pergunte: O que eu quero dizer com isso? Esta idéia é realmente original? Por vezes, ajuda pensar no que os leitores dirão quando alguém lhes perguntar "sobre o que é a história?" e "a história se parece com o quê?". Se você está confortável com as respostas, e acha que sua idéia vale à pena, não se afobe que há um longo caminho a percorrer antes da idéia "virar uma história"; começando pela pesquisa. Semana que vem falamos sobre isso!

8 comentários:

Flantuares disse...

Esse negócio de escolher uma idéia original, muitas vezes, parece difícil, pois conforme um escritor, cujo nome não me recordo agora, tudo já foi escrito, mas o exemplo que citou de "A Metamorfose" é muito bom para se pensar em novas formas de escrita. Continue, pois suas dicas são muito boas. Gostaria de saber se você já publicou algum livro sobre esse assunto.

Alexandre Lobão disse...

De fato, estou com uma proposta sendo avaliada por uma editora para escrever um livro sobre o assunto deste blog; o que tenho é alguma experiência teórica sobre o assunto, e o romance "O Nome da Águia" (http://www.ONomeDaAguia.com) onde apliquei estes conceitos de forma prática.

Ismande disse...

Muito interessante...
fiquei com uma dúvida:e quando a história não se resume a uma só idéia e sim várias?Ainda dá pra se escrever sem acabar confundindo o leitor?

Alexandre Lobão disse...

"Idéia", no contexto que estou usando, é o "tema" ou "premissa" da história; ou seja, normalmente há apenas uma. Claro que você pode (e normalmente vai...) incluir diversas outras idéias auxiliares. Por exemplo, numa história cujo tema seja a luta de uma mulher negra da periferia do Rio para crescer profissionalmente, podem ser abordados diversos outros temas - neste caso, são tantos que nem é necessário citar exemplos! :)

Talita de Deus Guedes disse...

Eu gostei muito e até imprimi essa postagem. Andei pesquisando em blgs e sites como escrever um livro - todos falaram em modos de escrever e como publicar - mas aqui eu gostei muito, pois me ajudou onde eu tinha dificuldade: em saber se a minha idéia é "boa". Realmente eu nunca ouvi falar e eu creio que não exista um livro que fale da minha idéia (é um romance que se baseou em uma pesquisa escolar). Mas não sei se as pessoas vão gostar da minha idéia, já que ninguém comenta isso. E tem outra coisa: o meu envolve outras culturas, será que dá certo, já que eu não vivo a tal cultura?

Alexandre Lobão disse...

Oi Talita!
Obrigado pelo interesse e palavras de incentivo.
Quanto à questão sobre escrever um romance que envolve outras culturas, é perfeitamente possível. A meu ver, a maneira ideal de fazer isso é pesquisar muito, conversar com pessoas que conheçam estas outras culturas, e viajar e conviver um pouco com estas culturas, se possível.
Vale destacar que o que torna o livro mais "real" são justamente os pequenos detalhes. Como é o dia a dia de uma pessoa na Indonésia? Você sabia que lá é falta de educação tocar nas pessoas com a mão direita, pois esta é a mão que usam no banheiro? E se a pessoa é canhota, como funciona isso? Estes pequenos detalhes, você só descobre indo lá ou conversando com quem esteve lá; e isto vale para qualquer cultura...
Pesquise tanto quanto necessário para sua história, e evite "inventar" detalhes, e não "assuma" nada, como cores de roupa em funerais (branco no Japão, preto por aqui), forma de cumprimentar as pessoas, época de férias nas escolas, etc.
Coragem, persistência e pesquisa tornam qualquer coisa possível!
[]s!

Alice disse...

Olá.
Adorei o seu blog, tem dicas muito importantes, por favor não pare de escrever suas dicas. Estou começando a escrever um romance e gostaria de saber se minha idéia é boa o suficiente para se tornar publicável. Sei que existem muitos serviços de crítica literária para avaliar manuscritos já prontos, mas existe algum tipo de serviço que possa me dizer se minha idéia é relevante? Já tenho toda a trama do começo ao fim na minha cabeça, mas me sinto insegura de continuar escrevendo sem saber se vale a pena desenvolver a idéia. Este tipo de serviço existe? Obrigada!

Alexandre Lobão disse...

Oi Alice!
Não existe, que eu saiba, nenhum serviço que avalie as idéias neste nível, até porque muitas vezes uma idéia parece ruim, e fica boa quando transcrita, e vice-versa.
Se me permite, vou lhe dar algumas idéias:
- Escreva! Se esta idéia não ficar boa no papel, com certeza outras ficarão! Escrever, como tudo na vida, é uma questão de prática, então quanto mais você escrever, melhor! E não tenha medo de "perder" seu trabalho, meu primeiro livro (datilografado em máquina de escrever...) até hoje está na gaveta, não terminado, porque não ficou bom! Todo escritor que se preza joga muita coisa fora! :)
- Se você estiver muito insegura, Faça uma lista de pessoas em que confia (não necessariamente escritores, mas de preferência pessoas que gostem de ler) e conte a história para elas. O leitor é seu público, então são leitores que devem lhe dizer se a idéia parece boa.
- Posso tentar te ajudar, se você não se incomodar em ouvir elogios e críticas... Entre em contato comigo por e-mail que trocamos umas idéias!
Forte Abraço, e obrigado pela força em continuar o blog! Como estou muito ocupado produzindo meu próximo trabalho, realmente pensei em parar, mas de vez em quando alguém me anima! :)