26 de abril de 2012

Persistência, Motivação e Foco

O
  estabelecimento de um novo hábito requer principalmente persistência e motivação. E se você deseja escrever um livro, precisa estabelecer uma rotina de trabalho, o que não foge a esta regra.
Persistência, que fique bem claro, não é a capacidade (quase) inumana de definir uma nova rotina e se ater a ela sem falhas, desde o primeiro momento. Persistência é, basicamente, nossa capacidade de não desistir frente aos primeiros obstáculos, ou aos seguintes, pois muitos obstáculos aparecem ou são inventados por nós quando queremos mudar algo. Persistência é esta capacidade de continuar tentando, de voltar à nova rotina cada vez que, por um motivo ou outro, falhamos.  E é justamente aí que a motivação faz toda a diferença, pois é ela quem nos dá uma razão para tentar novamente.
Por isso, se você quer escrever um livro, a primeira pergunta que você deve responder é: estou escrevendo por que? Estou procurando fama? Quero ganhar dinheiro com isso? Tenho uma história, quem sabe de família, que preciso registrar? É para minha satisfação pessoal?  Pense sobre o assunto com calma, e uma vez que você saiba qual sua motivação, escreva-a em uma folha e cole-a em um lugar onde você a verá TODOS os dias - por exemplo, na parte de dentro da porta de seu armário.
Mas uma motivação, digamos, "abstrata e distante", normalmente não é suficiente para manter nosso interesse por muito tempo.  Por isso, é essencial que você estabeleça metas de médio prazo, e objetivos de curto prazo para se manter motivado. 
“Uns escrevem para salvar a humanidade ou incitar lutas de classes, outros para se perpetuar nos manuais de literatura ou conquistar posições e honrarias. Os melhores são os que escrevem pelo prazer de escrever”
Lêdo Ivo, escritor, poeta e jornalista brasileiro
 Por exemplo, para uma motivação como "conseguir viver apenas da renda dos livros", a meta poderia ser "concluir o livro XXXX até o agosto", e os objetivos de curto prazo podem ser algo como "Capítulo 1 -  4 de maio, Capítulo 2 - 8 de maio" ou, de repente, "Chegar à página 10 - dia 2 de maio", "Chegar à página 20 - dia 7 de maio".
O importante aqui é
manter claro em sua consciência que os objetivos de curto prazo devem ser respeitados (e comemorados) sempre que possível, pois sem eles a meta não é atingida, e sem a meta, cada vez fica mais difícil acreditar que um dia satisfaremos à nossa motivação.  É o que acontece comigo: se em determinada semana não consigo escrever nada, na semana seguinte me esforço para escrever em dobro, pois sinto que "estou atrasado".  E se consigo escrever mais que o objetivo da semana, na semana seguinte luto para conseguir manter este ritmo, chegando cada vez mais próximo da meta.
Retorne agora à folha onde você escreveu sua motivação e escreva sua meta de médio prazo, e abaixo dela a lista (pode ser em formato de calendário) dos objetivos de curto prazo a atingir.  A cada semana, volte e marque os objetivos atingidos - ver a evolução do trabalho, mesmo que mais lenta que o esperado, é um grande estímulo para continuar.
“Escrever é uma vida de cão, mas é a única vida que vale à pena ser vivida”
Gustave Flaubert, escritor francês
Outra ideia interessante (sugerida por uma leitura do blog) é de tempos em tempos formatar o texto como um livro e imprimi-lo ou transferi-lo para seu leitor de e-books preferido. Ter um livro seu pronto em mãos é uma coisa mágica, provavelmente a maior motivação de todas, então porque não antecipar um pouco desta mágica para reforçar, para nós mesmos, que escrever (mais) um livro não só é possível, como foca mais perto a cada dia que você escreve.
Além da persistência para se esforçar ao máximo para manter a nova rotina de trabalho e da motivação que fará você sempre retornar à escrita, é essencial que você busque sempre manter seu foco ao trabalhar em um livro.
Quando você se sentar para escrever, ESCREVA! Não pare para ver emails, não pesquise, não releia o que você já fez (a menos que seja absolutamente necessário), não bata papo, não leia mensagens no Twitter, não faça nada que não seja escrever.  Se você por algum motivo não conseguir colocar as palavras no papel em algum momento, fique em frente à tela branca, pensando em como começar.  Se você ficar uma hora parado, olhando para uma tela branca e pensando em como começar a escrever, estará uma hora mais perto de conseguir resolver este problema.
Um ponto importantíssimo que você precisa ter em mente é que um livro NUNCA termina quando o autor escreve a última palavra do último capítulo.  Por mais que seja cuidadoso ao terminar esta primeira versão, também chamada de "primeiro tratamento", o autor vai precisa retornar ao início, reler, reescrever, reorganizar, amarrar pontas soltas, cortar excessos, consertar um monte de coisas.  Portanto, dê-se à liberdade de escrever uma versão rápida e simples, mesmo com erros e "buracos" que será preenchidos por pesquisas posteriores.  O primeiro tratamento não deve ser lido por ninguém exceto por você mesmo, então sempre haverá tempo para melhoras. 
O maior benefício de pensar assim é que, na prática, você nunca fica parado frente à ela branca, você pode sempre sair escrevendo e acertar depois!

Pois é, minhas amigas e meus amigos... Pensaram que era fácil? Escrever bem dá trabalho, escrever bem é um trabalho, um emprego como qualquer outro.
Mas de minha parte, posso dizer uma coisa: escrever é um dos melhores trabalhos que existem!  :)


Gostou?  este post!

6 comentários:

Douglas Gaspar disse...

bastante legal suas dicas!

Alexandre Lobão disse...

Valeu, Douglas. Querendo que eu explore algum assunto específico de seu interesse, basta falar!
[]s!

Edilan disse...

Muito boas suas dicas, sou fã do seu blog.
Uma coisa que sempre me atrapalha é internet, eu sempre me prometo sentar em frente ao computador e escrever, mas eu acabo me distraindo e no final não escrevo nada.
Outra coisa que acontece comigo é que eu nunca consigo levar uma ideia adiante, eu penso em uma ideia, trabalho nela, crio a trama, os personagens, cenários, mas sempre me vêm outra ideia que parece mais forte e eu acabo abandonando a anterior.
É frustrante.
Mas obrigado pelas dicas!

Keller disse...

Olá Alexandre! Em primeiro lugar, parabéns pelo blog, site, obras, enfim, tudo mágico como deve ser sua escrita que não tive o prazer de conhecer ainda, afinal recém descobri seus recantos virtuais. Obrigado por reacender em mim o desejo de escrever novamente, tenho um livro que trabalho desde os 14 anos, estou atualmente com 24... imagina a desilução! Mas vou seguir suas dicas para recomeçar esse projeto com metas e objetivos, como vocês disse, assim que conseguir comemorarei e te avisarei. Parabéns pelo trabalho!

Alexandre Lobão disse...

Oi Edilan,
Por isso que é importante se organizar, escrever uma premissa, definir os personagens e só então começar a escrever: se você faz isso direitinho, você nunca perde muito tempo investindo em uma ideia mediana.
Pesquise por "premissa" aqui no blog que você entenderá melhor o que estou propondo.

Alexandre Lobão disse...

Muito legal, Keller, é bom saber que de alguma forma eu acabo ajudando aos leitores! :)

Ter um projeto parado há anos não é nenhum demérito, eu mesmo tenho algumas ideias na gaveta que acabam ressuscitando (ou não...) de tempos em tempos.

Boa sorte, e mantenha-se motivado!