12 de abril de 2013

25 razões porque seus originais são rejeitados (por editoras)


If you can't read Portuguese, check out Jessica Morrell's original post here

N
este post, trazemos a vocês alguns comentários de Jessica Morrell, agente literária que atua nos Estados Unidos. Jessica lista 25 das mais comuns "escorregadas" que levam os originais a serem recusados por editoras, e que podem ser resolvidas com um pouquinho de atenção.  Como o post ficaria muito longo, resolvi dividi-lo em duas partes.
Embora estas dicas sejam voltadas para o mercado estadunidense, acredito que elas são igualmente valiosas no mercado brasileiro, tanto na procura de agentes literários quanto na procura de editoras.
O artigo original pode ser consultado aqui, e foi traduzido com a autorização da autora.

25 razões porque seus originais são rejeitados (por editoras) © Jessica Morrell
A vida de qualquer escritor sempre tem um pouco de rejeição. Na verdade, a estrada para a publicação é muitas vezes pavimentada com rejeição. Algumas vezes estas rejeições ajudam-nos a crescer como escritores, outras vezes elas são desconcertantes e nos quebram o coração. Particularmente dolorosas são aquelas cartas de rejeição que dão poucas ou nenhuma pista sobre o porquê do seu trabalho ter sido preterido. Quando um editor está rejeitando seu trabalho por uma razão bem definida, pode ser útil e tranquilizador saber porque. Quando nenhuma razão é citada, é difícil saber o que deve ser melhorado.  Afinal, é necessário coragem para enviar um original ou uma proposta editorial ('query' no original). No entanto, se você está perdido tentando entender porque você recebe tantas pistas de que estão desconsiderando seu talento, pode tomar um fôlego porque aqui estão algumas razões que você deve considerar."Originais rejeitados não são falhas, originais não escritos é que são."
Greg Daugherty, Escritor e editor de revistas americano.
  1. Você mandou seu original para o agente, editora ou profissional errado. Isto acontece mais frequentemente do que você pode imaginar. Leia as orientações e forma de envio do indivíduo ou companhia para o qual você está  enviando seu trabalho; entenda a indústria, o que está vendendo agora e quem está comprando o quê. Se uma editora ou um agente quer uma proposta, não envie o original inteiro. Se eles querem um envelope selado para retorno do material, envie um. Desenvolva uma ideia sobre como funciona o mercado. Navegue por livrarias online ou pelos corredores das livrarias e preste atenção a quem está publicando títulos similares ao seu. Da mesma forma, verifique nas páginas de agradecimentos dos livros para descobrir quem está agenciando livros semelhantes aos seus.
  2. Você enviou uma versão que ainda não está pronta para o 'horário nobre'. Muitos fatores podem indicar isso, desde uma variedade de erros de digitação e gramaticais uma trama com abordagem confusa. Envie o seu melhor. Se você ainda não revisou e corrigiu seu trabalho pelo menos duas ou três vezes, o mais provável é que ele não esteja pronto para ser visto por olhos profissionais.
  3. A abertura não tem um gancho ou um incidente incitante que crie stress, desconforto, questões ou jogue uma grande sujeira no ventilador. A história precisa começar deste a primeira sentença.  E por favor não comece acordando o personagem de um pesadelo - isso já foi feito.
  4. A verdadeira abertura começa na página 12.
  5. Se você está escrevendo não ficção, a abertura não estimula a continuação da leitura pela linguagem, conteúdo ou voz.
  6. O ponto de vista é confuso ou inconsistente. O ponto de vista é o filtro ou lentes pelas quais nós vemos a história. É crucial que você entenda quem está contando a história e porque. O personagem cujo ponto de vista é utilizado na história é muitas vezes, mas não sempre, um protagonista (embora algumas vezes possa ser meramente um narrador ou um personagem secundário). Quem quer que esteja contando a história precisa ser quem mais será afetado pelos eventos. Se você está usando múltiplos pontos de vista, esforce-se para manter um padrão lógico e consistente.
  7.  A voz (de sua obra) não canta, não contém autenticidade suficiente, individualidade ou originalidade. Já ouvi de diversos editores que lhes ocorreu de se apaixonarem pela voz de um escritor e que, quando isso aconteceu, eles deixaram de se importar tanto com outros aspectos da história.
  8. Excesso de técnica na escrita, que fica visível na análise palavra por palavra, sentença por sentença, página por página, cena por cena. Uma escrita carregada com modificadores, especialmente advérbios. Eu levo isto tão a sério quanto um ataque cardíaco - é um ponto mais importante nesta lista do que a maioria dos escritores admite.
  9. Problemas na trama: tramas já conhecidas, banais ou muito familiares. Trama rarefeita, fragmentada ou falta de trama. Rumo da narrativa que divaga e não parece se ater à questão principal da história. Excesso de subtramas. Falta de subtramas.
  10. Falta de consistência, coesão, unidade.  Não parece ter sido escrita por uma mesma pessoa, com um propósito ou intenção predominante.
  11. Temas, linguagem ou trama não apropriada para a idade dos leitores.
  12. Falta de motivações críveis - muitos personagens realizando esforços sobrehumanos por razões estranhas, ou simplesmente muitos personagens 'perfeitos'.
Continuamos na semana que vem!

Jessica Page Morrell vive em Portland, Oregon, onde ela é cercada por escritores e pode observar o céu em todos seus humores e variações. Ela escreve com profundidade, sagacidade e clareza sobre tópicos relacionados à escrita, e é autora do livro "Thanks, But This Isn’t For Us, A (Sort of) Compassionate Guide to Why Your Writing is Being Rejected"; "Bullies, Bastards & Bitches, How to Write the Bad Guys in Fiction"; "The Writer’s I Ching: Wisdom for the Creative Life; Voices from the Street"; "Between the Lines:Master The Subtle Elements Of Fiction Writing"; e  "Writing Out the Storm".  Morrell trabalha como editora de desenvolvimento porque caso um autor cria personagens cheios de arestas e inconsistências, ou a trama trava e as cenas não fluem, estes problemas devem ser resolvidos antes que ele submeta seu trabalho para um agente ou editor. Ela também trabalha com biografias e livros de não-ficção com um foco especial na lógica e na voz do autor. Ela começou a ensinar escritores em 1991 e agora promove workshops no noroeste dos Estados Unidos e em conferências para escritores por todo o país, além de promover palestras para diversas organizações de escritores. Ela atuou como especialista de escrita no site iVillage.com, que foi votado como um dos melhores 101 sites para escritores.  Em 2008 ela fundou a Summer in Words, uma conferência anual para escritores na costa de Oregon. Ela também escreve uma coluna mensal sobre tópicos associados à escrita desde 1998, que atualmente sai pelo The Willamette Writer (jornal da associação de escritores de Orgeon). Ela também contribui para as revistas The Writer e Writers Digest, escreve um jornal por email, The Writting Life, e mantém os blogs http://thewritinglifetoo.blogspot.com e http://summerinwords.wordpress.com. Seu site é www.jessicamorrell.com

Você já teve algum original rejeitado?  Porque você acha que isso aconteceu? Deixe seu comentário e participe da Vida de Escritor!

Twitáveis:
  • "25 razões porque seus originais são rejeitados" pela agente literária Jéssica Morrell, no Vida de Escritor http://bit.ly/BlogLobao  Clique aqui para Twitar!
  • Ritmo ruim? Personagens confusos? Diálogos sofríveis? Descubra porque seu original é recusado no Vida de Escritor http://bit.ly/BlogLobao Clique aqui para Twitar!

Gostou? este post!

7 comentários:

DevanilJunior disse...

Ótimas dicas, obrigado pela tradução.

Mas o que é a Abertura?

abçs

Anônimo disse...

Ótimo post Alexandre. Estou aguardando a parte dois.

Fernanda Coelho disse...

Ah ofício laborioso, esse que escolhemos. rsrsrsr
Excelentes dicas, Alexandre. Mais uma vez, obrigada por compartilhar.
Estava aqui me perguntando: "onde é que ele encontra tudo isso?!"

Um grande abraço,
Fernanda

Alexandre Lobão disse...

Oi Devanil,
Obrigado pela pergunta, realmente ficou pouco claro no post.
"Abertura" é onde sua história realmente começa. Vejamos um exemplo bem simples: imagine que na história clássica dos "3 Porquinhos" houvesse toda uma introdução que mostrasse o dia a dia dos porquinhos na casa de sua mãe, crescendo, convivendo felizes em família, sem a mínima sugestão que um dia eles sairiam de casa para viver uma grande aventura. Neste caso, a abertura da história só aconteceria quando eles efetivamente estivessem saindo de casa, páginas depois. A história precisa efetivamente começar na primeira página, e logo nos primeiros 5% do livro já deve ser lançada ao leitor a "grande questão" que irá despertar sua curiosidade e que o levará a ler o livro até o final para descobrir sua resposta.
[]s!

Alexandre Lobão disse...

Oi "Anônimo",
A segunda parte sai amanhã!
[]s

Alexandre Lobão disse...

Obrigado, Fernanda.
A gente vai juntando ideias daqui e dali, incluindo de sugestões do pessoal que participa! :)
Forte Abraço!

Eduardo Nascimento disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.