7 de março de 2014

20 dicas muito práticas para escrever bem, de J.B.Oliveira



R
ecebi há algumas semanas um e-mail com o título "20 dicas muito práticas para escrever bem", de J.B.Oliveira.
Gostei imediatamente, mas como nunca acredito nestes e-mails que circulam por aí, procurei o autor e conferi: o texto é mesmo dele, e melhor ainda, ele autorizou a publicá-lo aqui.
Com vocês, então, o texto do simpático e inteligente e experiente escritor J. B. Olveira:

Uma pessoa me perguntou, certa feita, como deveria fazer para começar a escrever. Respondi-lhe: “Comece da esquerda para a direita”!
Brincadeira à parte, a verdade é que muita gente gostaria de pôr suas ideias no papel e produzir obras literárias... Pois não é que a sabedoria oriental ensina que: “para ser feliz, uma pessoa deve plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro”?
Partindo dessa premissa – e visando apontar um caminho para a felicidade – aí vão 20 dicas MUITO, MUITO práticas para qualquer um escrever BEM!
“Disciplina e trabalho constante são as pedras de amolar sobre as quais a faca cega do talento é trabalhada até ficar afiada o suficiente ”
Stephen King, em “Dança Macabra”
  1. Evite repetir a mesma palavra, porque essa palavra vai se tornar uma palavra repetitiva e, assim, a repetição da palavra fará com que a palavra repetida diminua o valor do texto em que a palavra se encontre repetida!
  2. Fuja ao máx. da utiliz. de abrev., pq elas tb empobrecem qquer. txt ou mensag. que vc. escrev.
  3. Evite os lugares-comuns, as frases feitas, “como o diabo foge da cruz”.
  4. Remember: estrangeirismos never! Eles estão out! Já a palavra da língua portuguesa é very nice!
  5. Você nunca deve estar usando o gerúndio! Porque, assim, vai estar deixando o texto desagradável para quem vai estar lendo o que você vai estar escrevendo. Por isso, deve estar prestando atenção, pois, caso contrário, quem vai estar recebendo a mensagem vai estar comentando que esse seu jeito de estar redigindo vai estar irritando todas as pessoas que vão estar lendo!
  6. Não apele pra gíria, mano, ainda que pareça tipo assim, legal, da hora, sacou? Então joia. Valeu!
  7. Abstraia-se, peremptoriamente, de grafar terminologias vernaculares classicizantes, pinçadas em alfarrábios de priscas eras e eivadas de preciosismos anacrônicos e esdrúxulos, inconciliáveis com o escopo colimado por qualquer escriba ou amanuense.
  8. Jamais abuse de citações. Como alguém já disse: “Quem anda pela cabeça dos outros é piolho”. E “Todo aquele que cita os outros não tem ideias próprias”!
  9. Lembre-se: o uso de parêntese (ainda que pareça ser necessário) prejudica a compreensão do texto (acaba truncando seu sentido) e (quase sempre) alonga desnecessariamente a frase.
  10. Frases lacônicas, com apenas uma palavra? NUNCA!
  11. Não use redundâncias, ou pleonasmos ou tautologias na redação. Isso significa que sua redação não precisa dizer a mesmíssima coisa de formas diferentes, ou seja, não deve repetir o mesmo argumento mais de uma vez. Isso que quer dizer, em outras palavras, que não se deve repetir a ideia que já foi transmitida anteriormente por palavras iguais, semelhantes ou equivalentes.
  12. A hortografia meresse muinta atensão! Preciza ser corrijida ezatamente para não firir a lingúa portuguêza!
  13. Não abuse das exclamações! Nunca!!! Jamais!!! Seu texto ficará intragável!!! Não se esqueça!!!
  14. Evitar-se-á sempre a mesóclise. Daqui para frente, pôr-se-á cada dia mais na memória: “Mesóclise: evitá-la-ei”! Exclui-la-ei! Abominá-la-ei!”
  15. Muita atenção para evitar a repetição de terminação que dê a sensação de poetização! Rima na prosa não se entrosa: é coisa desastrosa, além de horrorosa!
  16. Fuja de todas e quaisquer generalizações. Na totalidade dos casos, todas as pessoas que generalizam, sem absolutamente qualquer exceção, criam situações de confusão total e geral.
  17. A voz passiva deve ser evitada, para que a frase não seja passada de maneira não destacada junto ao público para o qual ela vai ser transmitida.
  18. Seja específico: deixe o assunto mais ou menos definido, quase sem dúvida e até onde for possível, com umas poucas oscilações de posicionamento.
  19. Como já repeti um milhão de vezes: evite o exagero. Ele prejudica a compreensão de todo o mundo!
  20. Por fim, Lembre-se sempre: nunca deixe frases incompletas. Elas sempre dão margem a

Autor: J. B. Oliveira, Consultor Empresarial e Educacional, é Advogado, Professor e Jornalista. Presidente da A.P.I. (2006-09). Autor de “Mostrando a Língua”; “Boas Dicas para Boas Falas”; “Homens são de Marte, Mulheres são de Morte” e 4 outras obras. É membro da Academia Cristã de Letras e do Instituto para Valorização da Educação e Pesquisa e Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Saiba mais sobre ele em http://jboliveira.com.br



Gostou das dicas? Concorda, discorda? O que mais gostaria de ver por aqui?

Gostou? Tweet este post!

5 comentários:

Professora Zulmira disse...

Totalmente demais, mano! Vou estar recomendando esse texto para todas as pessoas, sem abiçolutamente nenhuma hecessão!!!! (rsrsrsrsrs):D

Vaness@ disse...

Adorei as dicas! Divertida e de fácil compreensão.

Vaness@ disse...

Adorei as dicas! Dinâmicas e divertidas, fácil compreensão.

Ronaldo disse...

O diferencial dessas dicas é que o autor se utilizar do humor e expõe em 20 tópicos os erros mais comuns cometidos por jovens escritores.

Ronperlim disse...

O autor se utiliza do humor nas próprias dicas para demonstrar os erros mais comuns dos jovens escritores.