6 de julho de 2014

Já pensou em desistir de escrever? Pense melhor!


Amigos!
Como todo escritor precisa fazer, saí de férias para ampliar meu arsenal de experiências de vida que sirvam de bagagem para novas histórias.
Não me decepcionei: em três semanas escalei o Pico da Bandeira (seis horas de trilhas morro acima e abaixo...), visitei deslumbrantes praias no Espírito Santo, participei de uma Bike Fest com alguns milhares (literalmente!) de motociclistas, andei de Maria-Fumaça... Bom, vou parando por aqui senão o post vira uma entrada de diário, mas, resumindo: valeu a pena!  Viagem sempre que possível, sempre faz bem ao corpo e à alma.
Pois bem: retornando à rotina, recebi um e-mail de uma jovem escritora que me disse que ama escrever, que não se vê fazendo mais nada na vida, mas que estava pensando em desistir do sonho por enquanto, uma vez que as dificuldades são muitas, e sua família falava (com toda razão) que é muito difícil viver de escrever.
Como sei que muitos escritores passam pelos mesmos dilemas, sejam eles jovens ou não, iniciantes ou experientes, achei que seria legal compartilhar um pouco da minha resposta a ela com todos. Espero que apreciem!
"Escrever é uma vida de cão... mas é a única que vale a pena ser vivida"
Gustave Flaubert, escritor francês e um dos maiores romancistas do século XIX
Quando tocam neste assunto comigo, sempre lembro da frase do grande escritor brasileiro Lêdo Ivo: “Uns escrevem para salvar a humanidade ou incitar lutas de classes, outros para se perpetuar nos manuais de literatura ou conquistar posições e honrarias.  Os melhores são os que escrevem pelo prazer de escrever”.
Acredito piamente nisso e, sendo assim, acho que não podemos abrir mão justamente daqueles que são, ou que serão, os melhores escritores! Se você não ama escrever e tem estas crises, então provavelmente você realmente está na direção errada: descubra o que você ama fazer, e vá atrás deste sonho!
Agora, se você ama escrever, então lhe dou meus parabéns e minhas condolências, porque os melhores escritores são aqueles que amam o que fazem por um bom motivo: eles não conseguem fazer mais nada além disso!  :)  hehehe...
É bem como Gustave Flaubert disse certa vez: “Escrever é uma vida de cão, mas é a única vida que merece ser vivida”.
O problema, como em TODAS as artes, é que escrever não dá dinheiro; pelo menos a princípio.  Se você reparar bem, Drummond, Rui Barbosa e outros escritores famosos foram servidores públicos; raros são aqueles que não tiveram (ou têm, para quem ainda está na ativa...) outra profissão.  Como, então, unir o sonho com a realidade?
O que recomendo é simples: NÃO desista nunca de seu objetivo, até porque de nada vale uma profissão que lhe dê dinheiro mas não te dê satisfação.  CONJUGUE as duas coisas; por exemplo, de dia estude e trabalhe, de noite escreva.  Descubra outros interesses.  Eu, por exemplo, também gosto de programação de computadores e planejamento/gerenciamento de projetos; e é isso que faço durante o dia e o que garante meu sustento e o da minha família.  Nas horas vagas, escrevo, sempre.
Se eu não trabalhasse em outras coisas, poderia ter alguns livros a mais, e quem sabe uma carreira de escritor mais estabilizada, mais reconhecida. 
No entanto, a própria experiência de estudar e trabalhar é material de aprendizado para o escritor, que, afinal, só pode escrever das coisas que aprendeu e viveu.  E uma coisa que percebi: nas oportunidades em que tive muito tempo para escrever, rapidamente me cansava e não aproveitava a maior parte do tempo; minhas melhores produções e minhas maiores produtividades aconteceram em períodos “de aperto”, quando tinha uma data para entregar um livro e precisava trabalhar no mínimo oito horas por dia.
Então, não desista; na verdade nem mesmo adie seu sonho: só mude a velocidade. 
Estude, trabalhe, e escreva muito.  Só se aprende a escrever melhor de uma forma: escrevendo.
Quando você tiver um livro pronto, procure editoras, conselhos, leituras críticas, etc, e comece a escrever o segundo.  E continue assim.  Alguma hora as coisas começam a deslanchar, desde que você não desista antes.

Vou ser bem sincero com todos vocês: Escrever muitas vezes é cansativo.
Não conseguir editoras (já passei quatro anos com um livro na mão sem conseguir publicar!) é desanimador.
Ouvir comentários ruins de parentes, amigos ou estranhos é uma pancada difícil de assimilar.
Ser um escritor, ao contrário do que muita gente pensa, não é fácil.

Mas, cá entre nós: é impossível viver de outra forma!  :)

Qualquer um que já teve o prazer de concluir um livro e tê-lo em suas mãos, mesmo que em cópia única, impressa em uma gráfica de conveniência, pode confirmar isso.

Então, se você realmente ama escrever, junte-se a nós, e sofra, e rejubile-se, e viva! :)

Agora, um convite: como é a sua experiência como escritor ou aspirante? Compartilhe suas dificuldades, suas glórias, e ajude os outros a continuar neste caminho!

Gostou?  este post!

8 comentários:

Douglas Gaspar disse...

Realmente publicar um livro é complicado estou a um ano tentando publicar meu primeiro romance, quase desisti, tem vezes que tudo parece ser apenas uma distração, mas não tem nada mais gratificante do que concluir e começar um novo capítulo.
Como não tenho dinheiro eu aposto em concursos literários participo do maior número possível.
Escrevo um blog. >> www.d-gaspar.blogspot.com.br e estudo programação para web.

Pretendo começar meu segundo livro nas ferias de Dezembro.

VlW! Pelas dicas!

Zulmira disse...

Sinceramente, eu não acredito que um escritor consiga parar de escrever. Mesmo que queira, mesmo que tente. Uso a palavra "escritor" não no sentido de uma pessoa que já publicou, mas sim de uma pessoa que escreve porque já nasceu assim. É uma compulsão, é uma necessidade. Ainda que os escritos permaneçam escondidos nas folhas de um caderno, ou em sulfites guardadas na gaveta, ou em arquivos “.doc” de algum obscuro pendrive. Publicar, pode acontecer ou não. Viver da escrita, pode acontecer ou não. Mas escrever não é uma escolha, é destino.

Alexandre Lobão disse...

Valeu, Gaspar!
Boa sorte com os concursos e com seus escritos!

Jeronymo Artur disse...

Cair no seu blog esses dias foi mais uma forma de me sentir seguindo o caminho certo. Desde o fim de julho que muitas coisas boas tem acontecido comigo em relação à escrita.

Coincidentemente postei ontem no meu blog um texto falando sobre minha experiência com a escrita.

http://mais-domesmo.blogspot.com.br/2014/09/sete-anos-depois.html


Meu primeiro livro tá chegando. Aproveitei a promoção de uma editora que acompanhava para participar de concursos literários e mandei fazer por conta própria. To realizando o maior sonho da minha vida.

Escrever é realmente uma experiência incrível. E mais incrível ainda é quem, como você, consegue repassar o aprendizado.

Obrigado!

Alexandre Lobão disse...

Oi Zulmira,
Obrigado pelos inspirados comentários! Concordo com você: escrever não é uma escolha, é um destino! :) Falou bonito!
Forte Abraço,

Alexandre Lobão disse...

Oi Jeronymo,
Obrigado pelos gentis comentários.
Você vai ver que o primeiro livro é uma coisa mágica, que materializa um sonho e comprova que, apesar de todas as dificuldades, você é capaz!
Agora já aviso: a vontade de publicar o segundo é ainda maior! :)
Forte Abraço,

José Carlos Alcantara disse...

Olá, escrevi um livro de ficção científica que acho que ficou legal. Mas, a cada vez que pego nele novamente começo a apagar um monte de coisas, e acrescentar várias outras. Sinto que ele está bom, mas gostaria de ter um acompanhamento profissional para fazer leitura crítica e correção do texto. Tendo essa necessidade, gostaria de saber quanto custaria esse trabalho. Meu livro tem aproximadamente 250 laudas.

Alexandre Lobão disse...

Oi José Carlos,
Por favor me envie um e-mail (para contato arroba alexandrelobao ponto com) que eu te encaminho os detalhes; ou se preferir escreva seu e-mail em um comentário aqui, que eu lhe envio as informações a este respeito, sem aprovar o comentário para seu e-mail não ficar disponível na internet.
[]s e obrigado pelo interesse,
Alexandre Lobão