20 de abril de 2011

Mistérios da Criação Literária - Por que escrevo?

m meus posts, normalmente tento oferecer algumas possíveis respostas à impossível questão: "Como escrever?".
Como já mencionei anteriormente, não há fórmula para escrever bem, mas com certeza há fórmulas sobre como escrever comercialmente.  Comercialmente, sim, sem nenhum preconceito contra a palavra, sem esta coisa pseudo-intelectualóide de dizer que tudo o que é comercial não é bom, ou não é arte. Escrever comercialmente significa escrever profissionalmente, ou seja, ter prazos, controle de qualidade e responsabilidade, tudo o que vemos em qualquer emprego comum.
E ver a "profissão de escritor" desta forma faz com que ela perca um pouco de seu charme e glamour, fazer o que? É a verdade, embora em qualquer declaração pública todo escritor tenha a obrigação de dizer o contrário!

Neste post, no entanto, vou abrir um espaço para falar, ou melhor, para apresentar o que outros escritores falaram sobre outra questão: "Por que Escrevo?".  Os trechos a seguir foram emprestados (com a devida combinação antes...) do site "Mistérios da Criação Literária, do colega José Domigos Brito.

Sugiro a todos visitarem o site, pois há muito mais ouro onde eu garimpei estas pepitas:

“A gente começa porque tem jeito para escrever e depois termina porque não tem jeito de parar. O prazer de escrever, eu não tenho. O que eu gosto, realmente, é de reescrever o material – alguns não gostam. A página em branco me dá uma grande angústia. Não sei se a frase seguinte vem, se vou conseguir fazer o segundo capítulo... Tenho um sentimento de impotência quando termino um livro; acho que não vou conseguir fazer outro nunca mais e fico muito conflituado; as pessoas começam a exigir que escreva outro livro. Acho que escrevo um livro exatamente porque fracasso. Se fizesse um bom livro, que satisfizesse plenamente, não precisava escrever mais. A gente escreve porque fracassa, e fracassa menos quem ambiciona mais.”
Autran Dourado

Fonte: RICCIARDI, Giovanni. Auto-retratos. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

"Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando…”
“Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada”
Clarice Lispector

Fonte: http://versoeprosa.wordpress.com/2008/05/12/por-que-escrevo/

“Posso dizer sem exagero, sem fazer fita, que não sou propriamente um escritor. Sou uma pessoa que gosta de escrever, que conseguiu talvez exprimir algumas de suas inquietações, seus problemas íntimos, que os projetou no papel, fazendo um espécie de psicanálise dos pobres, sem divã, sem nada. Mesmo porque não havia analista no meu tempo, em Minas”.
Carlos Drummond de Andrade

Fonte: Folha de São Paulo, 03/06/1984.
Gostou?  este post!

3 comentários:

Noite em Claro disse...

Ótimo post, como sempre!

Adorei a frase da Clarice..

Abraços!

www.temalgumacoisaerrada.blogspot.com

R.A.M.P. disse...

Olá!

Hoje eu queria compartilhar com vocês o trailer do livro “INUTAOSHI – A Presa do Lobo” que está disponível no youtube : http://www.youtube.com/my_videos?feature=mhum .

O livro acabou de ser lançado, trata-se de um romance sobre a sociedade medieval japonesa. A capa, o capítulo 1 e a venda estão disponíveis somente no site: http://www.clubedeautores.com.br/book/42848--INUTAOSHI . O mesmo pode ser comprado impresso ou no formato digital Ebook (para leitura digital). Esse livro foi um dos finalistas do Prêmio SESC de Literatura 2009.

“O Destino é Inexorável”.

Atenciosamente
Robson André

R.A.M.P. disse...

O link certo para o trailer é esse:

http://www.youtube.com/watch?v=BWTIuk2L7cU