12 de abril de 2011

Seis passos 'mágicos' para a escrita de um romance...


oa vida, amigos leitores.
Com este post, vou terminar a sequência de "seis passos para a criação de um romance".  Por que seis? Na verdade, poderiam ser onze, dezenove ou três; como já falei algumas vezes, não existem regras verdadeiras para garantir o sucesso de um livro. 
Dito isso, vale lembrar que o oposto não é verdade, ou seja, um livro pode estar bem escrito e não vender bem, mas um livro mal escrito é quase certeza de fracasso de vendas - daí os editores não apostarem em tais livros, mesmo que "a idéia seja boa".
Se ficou um pouco confuso, deixe-me esclarecer, em poucas palavras: pode ser difícil afirmar o que está "bem escrito", mas é muito fácil ver o que está "mal escrito".
"Mal escrito" não significa se segue ou não as regras gramaticais. Se você sabe escrever um texto medianamente correto, sem excesso de erros de português, estes erros não vão atrapalhar. O que editor vai avaliar é a estrutura da obra, como você organiza e apresenta as ideias, se não há "pontas soltas" nas tramas, se a linguagem cativa o leitor e se está apropriada para o público-alvo, se os personagens estão bem desenvolvidos de acordo com o foco do livro... coisas assim, mais "profundas" que a simples correção do texto.
Revisando os passos, até este:
1. Escrever a premissa ("Primeiras coisas primeiro"),
2. Organizar a estrutura da história ("Preparando a estrutura" e A necessidade da estrutura na escrita de romances),
3. Escrever a lista de cenas em ordem cronológica ("Pronto, já montei a estrutura do meu romance... e agora?")
4. Fazer o primeiro tratamento (no "Começar a escrever...")
5. Fazer o segundo tratamento (no "Dando vida aos seus personagens")
"Um texto nunca peca pela simplicidade. A melhor forma de dizer que um gato é preto ainda é 'O gato é preto'" - James McSill, consultor literário internacional, assessor, cirurgião de texto (story doctor), palestrante e representante de autores
A partir deste ponto, devemos fazer o terceiro, o quarto, o quinto...
Quantos tratamentos forem necessários.  Se há algum número mágico?  Não, apenas continue fazendo até sentir que o resultado final está burilado o suficiente - mas há duas diretrizes que podem ajudá-lo aqui. 
Primeira: SEMPRE que terminar um tratamento, retorne ao início e leia tudo de novo; verifique se há pontas soltas, confirme que algo não se "quebrou" durante a produção do novo tratamento. Obviamente, o foco da leitura deve ser o tratamento que foi realizado (por exemplo, se você acabou de adicionar vida aos personagens, releia prestando especial atenção aos pontos incluídos), mas a leitura deve ser abrangente, para garantir que a obra continua coesa.
Segunda: Faça uma lista dos tratamentos a serem realizados, e a cada livro incremente esta lista com suas ideias e com o resultado de seu aprendizado. Segue uma lista inicial, para ajudar que está começando:
  • Revisar a "voz" do livro e dos personagens:  O narrador/autor se exprime de maneira coerente o tempo todo? Se algum personagem narra alguma parte da história, a narrativa é coerente com o personagem em geral, e coerente com o estado emocional do personagem em cada momento?
  • Revisar / incluir os flashbacks: há diferença de linguagem durante os flashbacks? Há algo que "dispare" cada flashback (por exemplo, um cheiro que faz o personagem iniciar a lembrança, associado ao mesmo cheiro no passado)?
  • Revisar / incluir hooks e cliffhangers: Cada capítulo termina com um "gancho/hook" para o capítulo seguinte da mesma trama, e inicia com um "cliffhanger" para retomar a trama de onde foi largada?
  • Revisar pontos de vista: Cada cena é vista apenas de um único ponto de vista?  Por exemplo, se o ponto de vista é de um personagem, não se deve falar de algo que acontece alhures, já que o personagem não está lá.
  • Revisar se as informações estão bem "embaladas": Seu livro é uma peça de entretenimento, não deve ser um livro de história, geografia ou enologia. Como regra geral, corte toda informação que pareça com informação do livro; as informações devem nascer da história, aparecer como uma consequência natural da narrativa, e não como uma "aula" para o leitor. Se a informação é essencial, "embale-a" com bastante história, para evitar que a história fique chata!
  • Corte, Corte, Corte: Revise o texto várias vezes para cortar qualquer coisa que não contribua diretamente para a evolução da trama.  Corte aquelas "homenagens" a amigos, lugares ou coisas que você incluiu, corte aqueles longos e belos diálogos filosóficos que o autor colocou na boca do personagem, e tudo o mais que puder.  Como regra, tente cortar 10% de sua história, e se conseguir, tente cortar mais 10% do restante.
Escrever um livro é como reformar uma casa: uma tarefa sem fim, em algum momento você "desiste" e assume que o resultado está bom.
Confie em seus instintos. Se você seguiu estes passos até aqui, e acha que o resultado está bom, provavelmente é porque ele realmente está.

Como estamos terminando esta etapa, peço que enviem sugestões sobre em que podemos nos aprofundar a seguir - espero seus comentários!
Gostou?  este post!

8 comentários:

R.A.M.P. disse...

Olá, 

Sou mais um escritor brasileiro, dentre tantos outros.... 



Queria fazer uma pergunta: Você se interessaria em fazer uma resenha sobre o meu livro aqui? Existe alguma forma de fazermos uma parceria?

Ele acabou de ser lançado. Trata-se de um romance sobre a sociedade medieval japonesa e está disponível para venda, no formato impresso e digital (Ebook), somente pelo site: http://www.clubedeautores.com.br/book/42848--INUTAOSHI . O Título da obra é “INUTAOSHI - A presa do lobo” e o autor é R. A. M. P.. 
No site estão disponíveis a visualização da capa, sinopse e o capitulo 1. O
livro foi um dos finalistas do Prêmio SESC de Literatura 2009.


Se você se interessar eu posso encaminhar o livro para você.



 Obrigado

Robson André

Alexandre Lobão disse...

Caro Robson:
Por favor me mande o livro (impresso, por favor) que retorno com meus comentários em particular. Se você desejar, depois disso posso publicar também aqui no blog.
Estou enviando o endereço de envio para seu e-mail.
[]s!

R.A.M.P. disse...

Obrigado e estarei encaminhando o mesmo impresso na segunda feira!!

Thiago B. disse...

Dicas colecionáveis as do seu blog,caro Alexandre.

Obrigado.

luciano tamme disse...

caros como entender o momento certo do hooks e cliffhangers??

Alexandre Lobão disse...

Oi Luciano,

Fique de olho que farei um post sobre isso para ficar mais claro, provavelmente na próxima semana, ok?
[]s,

rosana disse...

Alexandre

o que acontece com teu blog , nao vejo mais nada, sou tua fã

rosana

Alexandre Lobão disse...

Oi Rosana,
Se você se refere à falta de posts; é que estou de jurado de um concurso de livros, e precisei avaliar mais de 80 livros em menos de 2 meses, então fiquei sumido, mesmo!
Obrigado pelo interesse; espero poder voltar a postar regularmente em breve.
[]s!