19 de setembro de 2011

Tudo o que você queria saber sobre motivação para escritores e não tinha pra quem perguntar...


alar sobre motivação para escritores gerou muitos comentários, então acho que vale a pena retornamos a este o assunto que, pelo jeito, aflige muita gente.
Antes de mais nada, o que precisa ficar claro é que todos os problemas de motivação e de bloqueio na hora de escrever residem em uma única causa: o embate entre seu lado criativo e seu lado crítico.
Todo mundo tem um lado criativo que necessita se expressar. Alguns buscam a realização de trabalhos manuais, como carpintaria ou jardinagem.  Outros procuram simplesmente algo para "exercitar a mente", como fazer palavras cruzadas, preencher Sudokus ou montar quebra-cabeças. E há aqueles, como nós, que sentem necessidade de expressar-se através das artes, sejam plásticas, cênicas, musicais ou literárias.
(Vale um parêntesis: Dentre os artistas, há aqueles onde a vontade criativa é tão grande que só conseguem se ver vivendo de sua arte, e há aqueles que querem exercitar sua arte de uma maneira mais leve, "apenas" como uma forma de se expressar e abrir novos horizontes. O resto deste post vale para você, independente de estar enquadrado em uma ou outra categoria.)
O que impede a maior parte das pessoas de continuar exercitando seu lado criativo é justamente seu lado crítico. Você encontra desculpas para não escrever ("não sei por onde começar", "não tenho o que falar", "não tenho talento"), desculpas para não continuar escrevendo ("vou revisar o que já fiz para ver se está bom", "estou sem tempo hoje", "estou sem ânimo para escrever") e até desculpas para abandonar tudo de vez ("Já tentei, e o que já escrevi não me agrada", "Não tenho talento MESMO", "é besteira tentar continuar, tenho coisas mais importantes que precisam de minha atenção") e por aí vai."Obrigue-se a estar no mesmo local e no mesmo horário, sempre. Eventualmente sua mente e sua inspiração farão o mesmo"Oswaldo Pullen, escritor e coach de escritores
Antes de mais nada, uma coisa precisa ficar bem clara: você escreve para você, não para os outros! Você escreve porque precisa escrever, porque tem algo dentro de você que quer sair, e se você não botar isso para fora, vai ficar o resto da vida pensando "E se..."?
Depois disso, é importante lembrar que o que você lê nunca é a primeira versão da obra. Você acha que os livros de Xxxxxxxx (coloque aqui o nome do seu escritor preferido) nascem assim, prontinhos, diretamente da inspiração celestial do autor para o computador, e daí direto para a editora? Obviamente que não!  Em casos extremos, como por exemplo nos mega-best-sellers de James Patterson, o livro não só não é a primeira versão, mas também é criado em conjunto por uma equipe de escritores - no caso deste autor, a se crer no que ouvi de um agente internacional, a equipe é composta por vinte e quatro pessoas.
Pois bem, se você escreve por uma necessidade sua, e sabe que vai revisar a obra diversas vezes quando for o momento para tal, para que adiar a escrita? Para que se perder em revisões, em desculpas que envolvem supostas faltas de tempo, qualidade ou talento.
A regra na escrita, como em qualquer arte, é uma só: quanto mais você exercita, melhor você fica. Lembre-se sempre que escrever é uma arte, mas também um trabalho, é necessário se esforçar para ficar bom nisso, é necessário ter uma rotina de trabalho. E, da mesma forma que em se emprego usual, haverá dias em que você vai estar desanimado, cansado, com dor de cabeça, mas ainda assim vai precisar trabalhar. Então, tome coragem e vá em frente!
E já que somos todos mortais, falíveis e resistentes a novos hábitos, algumas dicas para ajudar nisso:

  • Monte seu santuário .  Arrume um cantinho para você escrever. Escolha os objetos que farão parte de seu santuário: o notebook, livros de apoio, material de referência, objetos que te inspiram, qualquer coisa que faça você se sentir à vontade. Se não tiver espaço em sua casa, separe um canto da mesa que você vai usar sempre, e gaste cinco minutinhos deixando o local aconchegante. O ideal é montar o santuário em casa, pois estará sempre disponível.
  • Estabeleça uma rotina. Defina a periodicidade e o tempo que você vai dedicar à escrita, e tente sempre manter a rotina. Avise a família que naqueles dias e horas você estará trabalhando, e deixe claro que isso é importante para você. Acordar uma hora mais cedo ou dormir uma hora mais tarde para ter uma hora para trabalhar é perfeito, pois usualmente nestas horas estão todos dormindo, e há menos interrupções.
  • Desligue seu crítico interno. Escreva mal, mas escreva. Vá colocando as ideias no papel. Depois de um tempo, a coisa vai fluir melhor; e quando a primeira versão estiver pronta você terá bastante tempo para ajustar as partes que ficaram a desejar.
  • Estabeleça metas e um cronograma para atingí-las. Mais do que dizer: "quero terminar meu livro em seis meses", defina o que você terminará a cada mês. Ter metas ajuda você a concentrar forças para chegar a elas. Caso necessário, reveja o cronograma, pois atrasos são comuns - mas só depois de muita luta para mantê-lo!
  • Pare enquanto está animado. É melhor parar enquanto você está animado, se possível no meio de uma cena de ação, pois assim você vai retomá-la com o mesmo ânimo na próxima vez que for escrever.  Se você aproveita o ânimo para escrever tudo o que consegue escrever, até se estafar, inconscientemente vai ficar desanimado para retomar o trabalho na próxima vez.
  • Premie-se! Se você atingiu a meta do mês, do dia, da semana, pare! Saia, passeie sem destino, tome um sorvete e divirta-se. Isso ajudará seu subconsciente a ficar feliz e buscar atingir novas metas, para ser novamente premiado! :)
Uma coisa que sempre digo é que o primeiro livro é mágico. Você pode estar escrevendo apenas como um passatempo, "de maneira leve", sem buscar reconhecimento como escritor, mas depois que tem em mãos o primeiro livro, algo se ilumina dentro de você, seu subconsciente percebe que você tem capacidade, e que qualquer crítico, interno ou externo, estava errado. Aí o segundo livro é quase sempre inevitável!
Portanto, não abandone seu sonho. Termine pelo menos seu primeiro livro, conquiste esta realização, nem que seja só para si, ou para poder contar depois aos seus netinhos.
E se depois disso você ainda quiser desistir, desista.
Mas duvido que você vai querer!

 Caros: tenho comentários pedindo para falar sobre como gerenciar a mudança de narrador / de "voz" quando escrevemos, e sobre criação de personagens. Não esqueci, na sequência falamos sobre estes assuntos.

Gostou?  este post!

11 comentários:

Anônimo disse...

Alexandre
Ou posso chamá-lo de amigo? Sou eu, Talita.
Estava aqui lendo seu blog e esse post parece que foi feito pra mim, você sabe porque... lembra?
hehe
Gostei muito e tenho que agradecer por estar sempre compartilhando seus conhecimentos profissionais e até pessoais conosco, iniciantes.
Obrigada!

Beronique disse...

Apesar de ja trabalhar com cronograma e metas em diversas coisas, ainda tenho um pouco de dificuldade em mantê-las quando o assunto é escrita (ou quando tenho um prazo a médio/longo prazo para cumprir. Ai acabo, involuntariamente, relaxando um pouco, pois parece que tenho 'moto tempo ainda'...), mas a ideia das 'recompensas' é muito boa, isso funciona bem comigo, então tentarei unir as duas coisas (metas e recompensas)! Tenho certeza que essa dicas serão valiosas e renderão bons frutos. Obrigada colega!

Abraços!

Alexandre Lobão disse...

Oi Talita!
Espero que tenha ajudado!
Obrigado pelo interesse e apoio, na verdade somos todos iniciantes; a única diferença é que eu já quebrei um pouco mais a cara que alguns dos leitores do blog... :)
[]s!

Escritores de Domingo disse...

Suas postagens são ótimas. Tenho muito o que aprender com vc. Obrigado!

NINA RÔ disse...

Adorei e acho que estou precisando disso, seu blog apareceu em minha vida como um tufão. rsrsrs
Estou planejando publicar um livro, claro não sou nada além de um ensino médio mais tenho paixão por poesia, pra me incentivar recentemente abrir um blog estou postando aos poucos meus trabalhos http://tatieneninaro.blogspot.com/. E realmente eu precisava saber como manter tudo isso em um bom nível e de maneira sensata, mas acabo de aprender tudo isso com você... Eu estava procurando no Google exemplos de diálogos até que você caiu na rede do meu PC, obrigada pela consultoria gratuita rsrsr foi muito bom aprender com você.
Parabéns pelo seu trabalho com os pequenos sonhadores da escrita.
Nina Rô

NINA RÔ disse...

Adorei e acho que estou precisando disso, seu blog apareceu em minha vida como um tufão. rsrsrs
Estou planejando publicar um livro, claro não sou nada além de um ensino médio mais tenho paixão por poesia, pra me incentivar recentemente abrir um blog estou postando aos poucos meus trabalhos http://tatieneninaro.blogspot.com/. E realmente eu precisava saber como manter tudo isso em um bom nível e de maneira sensata, mas acabo de aprender tudo isso com você... Eu estava procurando no Google exemplos de diálogos até que você caiu na rede do meu PC, obrigada pela consultoria gratuita rsrsr foi muito bom aprender com você.
Parabéns pelo seu trabalho com os pequenos sonhadores da escrita.
Nina Rô

Anônimo disse...

Olá, alexandre.
isso parece ter sido feito para mim. é tão perfeito!
olha só,eu só tive um problema quanto a isso...
eu tenho apenas treze anos, e minha família nem sonha que eu estou escrevendo uma série.
acho melhor q isso não aconteça.
o q eu faço para ter mais tempo para escrever sem q eles saibam?
me responda, por favor. e´ste já é meu 3º comentario neste blog que não é respondido.

se mais alguém puder ajudar me mande um e-mail para: kaio.hp@hotmail.com

Síglia Cristina disse...

"Antes de mais nada, uma coisa precisa ficar bem clara: você escreve para você, não para os outros! Você escreve porque precisa escrever, porque tem algo dentro de você que quer sair, e se você não botar isso para fora, vai ficar o resto da vida pensando "E se..."?
Eu acho que completaria isso ao meu modo, na forma de que se eu não escrever eu literalmente me engasgaria com tudo que há, tanto dentro de mim como ao meu redor, escrever é meu consolo, mesmo as vezes eu destestando o que escrevo e mais tarde jogando no lixo, um passo de cada vez, e eu aprendi isso na marra, que cada passo é lento, excruciante, e maravilhoso, no ínicio escrevia minha história por escrever, para mim, meu presente dos céus, mesmo ruin, tosco e bruto, quando vi que o prazer virou necessidade de por para fora, pensei: "Um livro? por que não?" fiz pelos meus personagens, principalmente para minha querida (...) Alguém que eu busquei mais fundo do que eu pude esperar, é claro que quero vê-lo dando seus passos sem mim, livre e completo, mais é como se eu negasse soltá-lo, o trato com tanto esmero, estou tentando ser cuidadosa ao máximo, prepará-lo o melhor possivel para o mundo da escrita, que muitas vezes não é o conto de fadas que vemos.
É árduo e confesso que tem uma semana que não escrevo, estou lendo outro livro, e nesse momentos prefiro não escrever ois sinto-me arrastando algo das história que leio, não sendo eu! Só consigo escrever quando estou serena, sendo sincera comigo e com minha história e independentemente do quão distante ela possa parecer estar, para mim é mais real do que tudo.

Alexandre Lobão disse...

Desculpem pela demora nas respostas, estive enrolado por aqui...
-----------------------
Quanto ao comentário do Kaio, respondi em particular (se você não recebeu meu email avise!).
-----------------------
Síglia, é exatamente isso. Terminei o livro "On Writing" do Stephen King e percebi que este sentimento que nos obriga a escrever é comum a todos escritores! :)
-----------------------
Nina, que bom que você gostou. Visitei seu blog e o achei de bastante bom gosto, tanto as poesias quanto as imagens. Continue escrevendo, que você leva jeito!
-----------------------
José Carlos, todos aprendemos com todos! Cada dia, cada comentário e blog de leitor que visito aprendo um tanto. Obrigado!

Pedro Pinto disse...

Grande Alexandre!

Em primeiro lugar, gostaria de te carregar nos braços por esse seu blogue tão bom, tão útil e tão generoso, quer dizer, enquanto muitos criam e guardam seus segredos (i.e. seus problemas e soluções de trabalho), você se dispôs a dividi-los.

E depois, sobre esse post em particular: tudo parece conspirar contra o escritor... é preciso realmente ter muita dedicação e cuidar dos mínimos detalhes para se inserir plenamente na atividade criativa... tenho grandes problemas com isso. Portanto muito obrigado por mais essa dica!

Alexandre Lobão disse...

Hehe! Obrigado pelo exagero, Pedro, mas na verdade o aprendizado é mútuo, entre emails e comentários que troco com vocês.

E precisando se motivar, entre em contato para um bate-papo. :)

Forte Abraço!