13 de fevereiro de 2012

Dúvidas de Escritores: Dúvidas comuns entre escritores: Registro de livros, participação em associações etc

P
arabéns! 
Você acaba de escrever a palavra "FIM", colocando um ponto final a longos (e quiçá dolorosos) meses de trabalho, concluindo assim seu primeiro livro!
Ou será que não?
O alívio da conclusão é seguido pela angústia do "e agora"?
Juntando diversas questionamentos levantados nos comentários, vamos esclarecer pelo menos alguns pontos a este respeito.
Bem, vou assumir que todos já sabemos que, após terminada a primeira versão do livro, precisamos controlar nossa ansiedade e deixá-lo "dormir" na gaveta por no mínimo três semanas, ou pelo tempo suficiente que seja necessário para começarmos a nos interessar por outro projeto - seja um conto ou poesia para um concurso, seja um novo romance.  Depois deste tempo, devemos reler o livro com a meta de retirar tudo o que é supérfluo (como informações que não contribuem para a história, trechos incluídos para homenagear amigos ou parentes etc), corrigir erros, melhorar diálogos, incluir mais referências aos 5 sentidos, revisar e ajustar o ritmo de leitura.  No final, a meta é ter um livro melhor, e pelo menos 10% menor.  Depois?  Refazer este processo, pelo menos mais uma vez."Meu sonho de vida é recolher-me para escrever, enviar a criação para a editora e voltar à reclusão"
Salman Rushdie, premiado romancista, ensaísta indo-inglês e utopista
Já que sabemos disso, passemos ao que não sabemos: preciso registrar meu livro na BN - Biblioteca Nacional?  Ou devo registrar em um cartório de títulos? Devo me filiar a alguma associação de escritores? Preciso ter um livro publicado para fazê-lo?  Meu livro é o primeiro de uma série, e tem uma "marca", um logotipo que identifica o livro ou os personagens, devo registrar isso também?  Como?  Como consigo uma editora? E depois que conseguir, posso voltar para escrever meu próximo livro?

Começando pelas dúvidas mais simples: Registrar um livro na BN é fácil e rápido.  Fiz isso semana passada (no caso, registrei um argumento de roteiro de cinema), e me tomou apenas meia hora para preencher o formulário e copiar os documentos que eles pediram, imprimir a GRU (Guia de Recolhimento da União) e pagar R$ 20,00 via internet em meu banco.  Gastei uma outra meia hora para ir à representante local da BN, incluindo tempo de deslocamento, ser atendido e sair com o protocolo na mão e retornar à minha casa.  Para mais informações sobre como fazer o registro de livros na BN, clique aqui.   Mas é necessário?  Para ser sincero, não.  Não é necessário, mas é uma garantia a mais, então o faça!Poucas editoras pedem que você envie o registro de seu livro, mas há diversos programas de fomento à cultura do Governo que o exigem, e se você está pensando em se inscrever para um projeto deste tipo, fazer o registro agiliza na hora de montar o projeto de pedido de fundos.  Note que na BN também é possível registrar personagens de quadrinhos, argumentos de filmes, e uma série de outros produtos culturais. 
Quanto aos cartórios, esqueça-os, a menos que você deseje registrar uma marca.  Neste caso, procure o cartório de registro de marcas e patentes.  Mas tenha em vista que este registro pode ser um dinheiro jogado fora; ele faz sentido apenas se você está pensando grande, ou seja, além de vender o livro para uma editora, também já está pensando em licenciar lancheiras, cadernos, jogos e outros produtos com sua marca.  Como os registros de marcas são por tempo determinado, você vai precisar renovar este registro depois, então o ideal é conseguir primeiro a editora, para então, já orientado pela editora, verificar o quanto isso é necessário - lembre-se que a editora pode sugerir que você mude aquele lindo logotipo que você fez para identificar a série, contratando um ilustrador para fazer algo diferente!

Quanto às associações de escritores, há diversas, e com diversos requisitos diferentes.  Quando entrei para o Sindicato dos Escritores do DF (SEDF), mais ou menos em 1998, não tinha nenhuma obra publicada, minha primeira publicação fora dos anuários e jornaizinhos da escola foi um conto, em uma coletânea do SEDF.  Já a ANE, Associação Nacional dos Escritores, não só exigia que eu fosse um autor com um livro publicado (mesmo que auto-publicado), mas também pedia que um dos escritores da associação me "apadrinhasse", indicando meu nome oficialmente para a diretoria.  Nunca participei da UBE, União Brasileira de Escritores, nem da AEILIJ - Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infanto-Juvenil mas de maneira geral estas associações pedem que você seja "autor ou co-autor de livro publicado em qualquer gênero; que escreva e publique, regularmente, em jornais ou revistas; seja tradutor ou autor de obra inédita, premiada em concurso público". Imagino que a publicação de livros em formato eletrônico também deve ser aceita, desde que se prove a autoria.  De qualquer forma, os sites destas associações são bem claros quanto às regras e têm telefones para tirar dúvidas.  Lembrete: todas as associações, o que é normal, cobram mensalidades ou anuidades, e têm seus benefícios e estatutos próprios, então o ideal é informar-se com cuidado, porque às vezes é mais difícil sair de um destes grupos do que entrar neles. 

Por fim, como consigo uma editora?  E depois de assinar o contrato, posso voltar à minha casa e começar a escrever o próximo livro?
Infelizmente, como dizem os americanos, "no pain, no gain" "sem sofrimento não há ganho", você precisa merecer seus ganhos com o suor de sua testa.  Se você acha que encontrar uma editora é difícil, espere até descobrir as dificuldades para distribuir (no caso da auto-publicação) ou para divulgar (em todos os casos) seu livro...
Mas este assunto é longo.  Semana que vem falamos disso!

Gostou?  este post!

20 comentários:

Paullo disse...

Adorei o post, muito esclarecedor, as coisas parecem ser mais complicadas do que eu imaginava, porém isso apenas me estimula a querer alcançar meu objetivo...

Extras Linhas disse...

Comecei a ler as dicas sobre produzir e publicar um livro. De modo particular,são de grande valia. Com certeza continuarei a ler as dicas.

Léo Nascimento disse...

Olá Alexandre!
Primeiro gostaria de dizer que curto seus livros, principalmente "O Nome da Águia". Você deve ter feito um trabalho de pesquisa bem extenso neste livro. Ficou muito bom! Parabéns!
Em segundo queria dizer que me identifiquei com todos os passos que citou no post acima. Sou escritor (de romances de suspense e mistério) e depois de um longo e tenebroso inverno consegui ter minha obra publicada por uma editora convencional. E agora me encontro na última parte da epopeia: A dificuldade da divulgação! A editora é pequena e um pouco devagar neste quesito. Estou tentando fazer isto por conta, mas tudo é muito caro ou demanda tempo e dedicação. Como infelizmente ainda não vivo de literatura, tenho de trabalhar para me sustentar, o que me impede de me dedicar mais a divulgação. Creio que esta seja a realidade da maioria dos escritores brasileiros. Mas não desanimo, sei que com persistência podemos mudar isto. Quando puder entre no meu site e no meu blog para saber mais sobre meu livro: "O Enigma da Bíblia - A Tormenta", volume I de uma trilogia. Um suspense de tirar o fôlego!
www.leonardoborn.com.br
http://leonardoborn.blogspot.com/
Abraços,
Leonardo Born

Anônimo disse...

Olá, Alexandre, escrevo uma trilogia a mais ou menos 3 anos, livros de ficção que falam sobre magia. Acompanho seu blog e sempre guardo, anoto e sigo suas dicas que são ótimas. Já fiz várias pesquisas sobre como seguir o melhor caminho para publicar livros. Onde moro não tem muitas editoras ou feiras literarias e fica complicado conseguir contato com pessoas desse ramo. Talvez agora fique mais fácil já que estou engrassando em Letras/Bacharelado. Fico imaginando se não é melhor enviar meus originais a um agente literario. Com tantos depoimentos fico sem saber o que fazer. Queria muito um conselho ou uma dica, POR FAVOR. Já faz um tempo que estou nessa indecisão. Obrigada, tamires.

Anônimo disse...

Olá, de novo. Acabo de enviar um comentário e acabo de descobrir que no meu estado não há um posto estadual da BN e o mais próximo eu teria que viajar por alguns dias. Queria saber se não há como conseguir registar de outra maneira. Obrigada mais uma vez, tamires.

Alexandre Lobão disse...

Oi Paullo,
As coisas são um pouco complicadas, mas como, digamos, "fazem sentido", com o tempo a gente vai montando este louco quebra-cabeças que é o mercado editorial e o mundo dos livros em geral.
QQ coisa estamos aqui!

Alexandre Lobão disse...

Obrigado, Ennis!
Suas histórias também são muito interessantes, visitei seu blog http://extralinha.blogspot.com e gostei muito!

Alexandre Lobão disse...

Oi Leonardo,
Obrigado pelos gentis comentários. Realmente gastei um bom tempo de pesquisa: foram cerca de 4 anos de pesquisa, e um ano escrevendo "O Nome da Águia". Meu próximo livro, "As incríveis memórias de Samael Duncan", teve um tempo de pesquisa e escrita mais curto, cerca de três anos de trabalho intensivo, mas se formos contar desde que a ideia surgiu, foram quase vinte anos. O que salva é que sempre escrevo diversos livros em paralelo! :)
Visitei seu site e blog e gostei da sinopse e da capa (belíssima!) do Enigma da Bíblia. Parece um trabalho esmerado e de fôlego, Parabéns!

William disse...

Bom dia a todos.
Desculpa minha completa ignorância mas não compreendi ao certo sobre a associações de escritores. É obrigatório fazer parte desta associação para publicar um livro? Apesar de não estar totalmente preocupado com isto agora, mas sim com a conclusão do livro e com suas correções. Espero um dia poder publicar meu livro em uma boa editora e não faria mau se eu começasse a buscar informações a respeito desde já.

Enquanto ao trabalho de todos, parabens, aprecio o desempenho de cada um para o reconhecimento da literatura no Brasil.
Gostaria também de aproveitar para lhes dizer que estou aberto a novas amizades com outros escritores. Acredito que esta seria a melhor forma de conhecer um pouco mais sobre o campo da literatura. Gostaria de ouvir mais sobre os vossos trabalhos.

liam.sd@hotmail.com

Alexandre Lobão disse...

Oi Tamires,
Você pode solicitar o registro pelo correio, sem problemas. Veja detalhes e o endereço para envio em: http://www.bn.br/portal/?nu_pagina=28

Alexandre Lobão disse...

Oi Tamires,

Este seu problema é o mesmo de qualquer autor que não more no Rio ou em São Paulo, onde ficam as grandes editoras.
Agentes Literários são como ouro, valiosos e muito difíceis de "serem encontrados" no sentido de conseguir fazer-se representar por um deles.
De qualquer forma, procurando agentes ou editoras, o caminho que sigo é usar muito o telefone para tentar ficar mais próximo das pessoas que movimentam a área literária.
Sugestão rápida:
1) vá a uma livraria e procure que editoras publicam trabalhos semelhantes aos seus.
2) Visite os sites destas editoras e descubra como elas recebem originais.
3) Ligue para as editoras e confirme os procedimentos (há muitos sites desatualizados), e pergunte se pode "apresentar" seus trabalhos por telefone, ou pelo menos enviá-los aos cuidados de alguém.
4) Envie os trabalhos e cruze os dedos.
Outra alternativa, mais rápida e que é um bom primeiro passo, é publicar por uma editora pequena, local, e investir fortemente (tempo ou dinheiro) em divulgação. Emplacando um sucesso, o currículo já ajuda para conseguir uma editora maior.

Alexandre Lobão disse...

Oi William,
Não, a participação nestas associações não é obrigatória; na verdade a maior vantagem destas associações, a meu ver, é justamente o que você está procurando aqui: ter o contato com outros escritores, trocar experiências e (porque não?) aumentar sua visibilidade na cena literária local e nacional.

lanygird disse...

Bom dia, boa noite, boa tarde...Emfim!
Amei o blog, me aliviou bastante! muitas coisas eu achava que fazia errado quando escrevia uma história. Estou com uma dúvida cruel e peço humildimente sua ajuda; eu faço muitas histórias e como todos que fazem o mesmo queria ver pelo menos uma delas virando livro, mas são muito pequeninas então o que seria melhor fazer? almentá-las a ponto de render um livro ou deixá-las pequenas mesmo e juntar todas pra fazer um livro de várias histórias?
(aproveitando a oportunidade e ciente de que estou pedindo de mais, você não daria uma olhada em uma delas pra dar uma opinião? )

Alexandre Lobão disse...

Oi Lanygird,
Na minha visão, você nunca deve "esticar" uma história, pois o que devemos nas revisões para melhorar o que escrevemos é justamente o contrário: cortar tudo o que é supérfluo. Vai juntando suas histórias, e quando chegar a umas 140 páginas, revise tudo e comece a procurar uma editora, ou se organizar para auto-publicar.
Estou em um período bastante ocupado, mas para uma opinião "sem compromisso" você pode me enviar algo, sim. Meu email é contato@alexandreLobao.com

Anônimo disse...

Olá Alexandre. Nossa, adorei todas as suas dicas. Estou escrevendo uma trilogia tambem. Ja terminei o primeiro livro, e vou iniciar o segundo. O problema e que na ha posto da BN no meu estado! Sera que posso resolver o processo pelos correios. Tambem estou a procura de uma editora pequena. Obrigado pelas dicas.

Alexandre Lobão disse...

Oi "Anônimo",
O registro da BN pode ser realizado por correio, sim. Veja detalhes na área "Serviços a Profissionais/Escritório de Direitos Autorais" no site da BN (www.BN.br).
Quanto à editora, aí é com você; sugiro começar pela sua cidade (a lista telefônica é sempre um bom local para começar a procurar...); e depois nas livrarias pequenas, que é onde encontramos mais livros de editoras pequenas. Converse com o gerente da livraria e peça dicas; se ele não conhecer nenhuma editora pequena na região, peça a ele os contatos dos distribuidores de quem compra os livros - provavelmente estes distribuidores devem conhecer as editoras mais próximas!
Boa Sorte, e nos mantenha informados!

Maria Helena Datria disse...

Oi, Alexandre. Escrevi uma trilogia e gostaria de saber se posso registrar os três livros juntos (como volume 1, volume 2 e volume 3) ou se devo fazer o registro dos livros separadamente para cada um deles. Desde já agradeço.

Alexandre Lobão disse...

Oi Maria Helena,
Nossa, esta é uma pergunta para os universitários! ;)
Bem, só o escritório de direitos autorais da BN poderia lhe dar uma posição definitiva, no entanto, posso lhe contar a experiência de um amigo meu: ao produzir um longo livro, ele percebeu que ele poderia ser dividido em três partes, ou em cinco parte, conforme a escolha da editora. Ao oferecer a obra para editoras, ele incluiu na Proposta Editorial esta informação, indicando o possível número de caracteres (não se fala muito em páginas, que dependem de muitos fatores...) do primeiro volume nos dois casos, e deixando claro que o primeiro livro era auto-contido, de forma que, caso a editora não quisesse publicar os próximos, os leitores não seriam prejudicados.
Até aí tudo bem. Agora, na hora de registrar na BN, ele colocou como título da obra o nome da (possível) trilogia e registrou tudo como um livro só.
Acredito que você possa fazer o mesmo. Até porque para um eventual processo de plágio você só precisa mostrar que houve cópia de parte do conteúdo; assim, independente de registrar um livro ou três, você como autora esta protegida da mesma forma.
[]s e boa sorte com seu trabalho!

Raquel disse...

olá alexandre, tenho uma dúvida.
já escrevi dois livros, mas nunca regitrei nenhum. como moro no ceará não há nenhuma sede da BN por aqui. como eu faço para registrá-los?

Alexandre Lobão disse...

Oi Raquel,

Basta enviar o livro, o comprovante de pagamento e o formulário da BN via correio.

A BN está para lançar, já faz algum tempo, um sistema que permitirá fazer isto online, enviando o original pelo site, mas por enquanto siga as regras do site: http://www.bn.br/servico/direitos-autorais/registro-ou-averbacao

[]s!