18 de maio de 2012

A importância do planejamento ao escrever seu livro

A
s últimas semanas foram de grande emoção e muitas atividades para mim, mas espero que tudo se acalme por agora.
Resumidamente, do dia 20 de Abril ao dia 5 de maio participei de três eventos que demandaram grande atenção de minha parte: A Bienal Brasil do Livro e da Leitura, a 4a Flipiri, Feira Literária de Pirenópolis e o II Workshop de Escrita de Ficção.  Ainda não consegui colocar todas as fotos no ar, mas as dos dois últimos eventos já estão disponíveis em meus álbuns públicos.

Mas não é sobre isso que quero falar hoje. Hoje quero falar de uma experiência reveladora por que passei no início da semana passada.
O final de semana anterior havia sido bastante interessante, pois desde sexta-feira estávamos, eu e o amigo escritor Oswaldo Pullen, realizando o II Workshop de Escrita de Ficção, do qual participaram 21 escritores nos mais diversos pontos da carreira.
Como sempre, os resultados foram além dos esperados, não só para os alunos, que passaram pelo mesmo "UAU!" por que passei quando tive o primeiro contato com as técnicas que apresentamos, como também para nós, que (obviamente) sempre aprendemos muito com este rico contato entre escritores.
“Nenhuma batalha é vencida de acordo com um plano, mas nenhuma batalha é vencida sem um.”
Dwight D. Eisenhower, general e presidente dos EUA que lutou contra o Eixo na Segunda Grande Guerra
Durante o evento, várias vezes acabei comentando sobre meus projetos passados e futuros, e quando era necessário dar uma estimativa de tempo para a conclusão de meu próximo projeto (de que ainda não posso falar, mas que prometo comentar a respeito assim que estiver terminando o primeiro tratamento), eu respondia que esperava terminá-lo "em cerca de três meses".
Na segunda feira resolvi fazer o que já tinha recomendado aqui no blog, mas nunca tinha feito de verdade (Que vergonha! Casa de ferreiro, espeto de pau...): criei um cronograma para a produção deste trabalho.
(Cabe aqui mais um pequeno parêntesis: Tudo o mais o que sugiro aqui e nos workshops eu realmente utilizo na prática, não me condenem por este "pequeno" deslize).
Pois bem: qual foi minha surpresa ao colocar em um cronograma o tempo que estou levando para cada cena (1,5 dias por cena, 5 dias por semana) e o total de cenas que faltava escrever (84) e descobrir que o primeiro tratamento só ficaria pronto em 30 de outubro!  Neste ponto, dei um puxão de orelha em mim mesmo: na prática, como às vezes acontecia de eu ficar alguns dias sem escrever por um motivo ou outro, provavelmente o livro só ficaria pronto no ano que vem!
Aterrorizado com esta chocante revelação (tudo bem, posso estar dramatizando - e exagerando na quantidade de parêntesis - um pouco...) forcei-me a estabelecer uma meta mais arrojada de trabalho: terminar uma cena por dia, e tentar escrever mais de um dia por semana.
Como estou usando uma ferramenta de gerenciamento de projetos, a cada dia que ganho consigo ver o impacto no final do projeto; e depois de duas semanas semana consegui ganhar seis dias, mesmo tendo incluído uma cena extra no livro.  Neste ritmo, pode ser que efetivamente eu consiga terminar esta primeira versão em fins de agosto.

A grande revelação, para mim, foi justamente essa: não adianta de organizar, seguir todo um processo de trabalho (como por exemplo o sugerido por mim no post "Seis Passos Mágicos para Escrever um Romance" - e tome mais um parêntesis!), se ao fim do dia você continua com a sua rotina de trabalho de escrever dia sim, dia não, semana sim, semana não.

Faça como eu, ou pelo menos como eu estou fazendo afora: Faça um cronograma, de verdade.  Calcule quanto tempo você acha que vai levar para cada parte de seu livro,e coloque isso no papel.  Quando você faz isso, você passa a ter uma real noção do tempo que vai levar para escrever seu livro, e só ter esta noção já é um grande estímulo para nunca deixar para o dia seguinte o que você pode escrever hoje - porque, podem acreditar, SEMPRE vai ser mais tempo do que você acreditava!
Depois deste plano pronto, faça seu máximo para superá-lo, para conseguir chegar a seus resultados antes do previsto.

Porque na arte, assim como na vida, você só chega onde deseja chegar se souber para onde está indo, e se definir os passos e os tempos para chegar lá.
Planeje-se, se tiver dúvidas comente aqui para esclarecermos, continue escrevendo.
E não se esqueça de me convidar para sua próxima noite de autógrafos!

(Um último parêntesis: Semana que vem falo de diálogos, conforme o pedido por um dos colegas que acompanham o blog!)

Gostou?  este post!

13 comentários:

Vivian disse...

Caro Alexandre, sou viciada em cronogramas, e faço planejamento semanal dentro do plano de médio prazo. Aos domingos à noite, quando já sei melhor como será a semana, planejo cada dia, hora a hora, desde 6:00 até 22:00, onde incluo médicos, compras, tempo para o meu blog, tempo para escrever e-mails, fora os dois livros em que estou trabalhando. Você menciona uma ferramenta para acompanhar o progresso do seu plano, pode me dar a dica? Esse tipo de reforço funciona muito bem prá mim! Grata,
beijo
vi
http://vivianschlesinger.blogspot.com.br

Douglas Gaspar disse...

Estou acompanhando o blog a alguns meses e gosto muito do que você tem postado.
Muito legal este post!

Alexandre Lobão disse...

Oi Vivian,
Eu uso o Microsoft Project, mesmo. Adquiri uma versão faz tempo, mas ainda atende bem. Na parte das ferramentas grátis existe o "Gantt Project", que atende a projetos básicos, como é o caso do projeto para um livro.
O maior "segredo" aqui não é a ferramenta, mas sim organizar-se, dividir o trabalho direitinho em cenas, para permitir a criação de um cronograma. Se você usar o método de "sentar e sair escrevendo", vai ser totalmente impossível criar um cronograma!
[]s

Alexandre Lobão disse...

Valeu, Douglas, se quiser que eu fale de algum assunto específico é só sugerir!

Alexandre Lobão disse...

Caros:
Vou colar aqui um comentário do colega escritor Klots, enviado por email mas que merece ser compartilhado:
-------------------------
Prezado Lobão,
Em função do seu artigo, gostaria de deixar o meu depoimento.
Tenho uma dezena de projetos em andamento. Nenhum com cronograma. Na verdade nenhum deles tem sequer um prazo estipulado.
Entretanto para os três livros que publiquei, montei um cronograma e um diagrama de produção em função do tempo. É motivante perceber como a coisa funciona.
Estou no ponto em que preciso definir algum projeto como prioritário e estabelecer metas e prazos para ele.
Um projeto sem prazo é apenas um sonho.
Abraços,
Klotz

Anônimo disse...

Olá
Gostaria de saber se as lendas podem ser usadas por qualguer escritor ou se as mesmas tem direitos autorais .

Alexandre Lobão disse...

Oi "Anônimo",
As lendas podem ser usadas por qualquer escritor. Na verdade, depois de setenta anos (salvo engano) as obras caem domínio público no Brasil, pelo que você poderia, por exemplo, escrever uma história que utilizasse personagens ou ambientações de autores do século 19 sem problemas com direitos autorais.
Mas cuidado para não usar, por exemplo, textos de alguém que tenha escrito sobre uma lenda; a lenda pode ser livre, mas um texto escrito sobre ela tem os direitos assegurados!
[]s

ALVARO O BARDO disse...

Grande artigo, seu blog é um dos meus favoritos Alexandre, pois suas dicas me revigoram e me deixam pensando sobre meus projetos, gostaria que você lesse um conto meu quando pudesse, eles são publicados em meu blog o http://falandoderpg.blogspot.com

obrigado pelas suas dicas!

Alexandre Lobão disse...

Obrigado pelo interesse, Álvaro.

Gosto de RPG, e já participei de alguns live-action baseado no Vampiro-A Máscara; mas no seu site só achei (bons) textos sobre RPG e o mundo nerd, no qual me incluo! :)

Depois mande o link direto para um conto (curto, de preferência, pois estou bastante enrolado nos próximos meses...)

VILTO disse...

Olá Alexandre.

Venho acompanhando seu blog a alguns meses, mas (falha minha) ainda não havia comentado.

Gostei muito deste post. Ainda não tenho nada publicado, mas estou trabalhando em um romance fix-up. Já estabeleci os prazos necessários e estou conseguindo cumpri-los.

Entre os projetos grandes, escrevo contos curtos para sacia minha ansiedade de concluir alguma coisa.

Sei que você é muito ocupado, mas se puder, dá uma olhadinha num destes curtos que escrevi: http://homoliteratus.com/conto-o-dia-dos-namorados-do-cupido-vilto-reis/

E obrigado por este blog incrível!

Soraya Felix disse...

Olá Alexandre, Acabo de conhecer seu blog e já gostei muito de tudo o que vi e li. Quanto a este post confesso que, apesar de ter gostado muito, não trabalho desta forma e nem consigo enquadrar a criação literária dentre de um cronograma. É claro que devemos ter datas e metas, mas chegar ao ponto de estimar quantidade de horas por capítulo ou cena, no meu caso, é limitador e burocrático. Com certeza funciona para muitos escritores, como você mesmo disse. No entanto acredito e trabalho com outra disciplina. Estabeleço uma data final, irrevogável, e trabalho o meu tempo de acordo com ela. Em semanas que a produção foi pequena, por um motvo ou outro, é compensada por outra, extremamente produtiva.
Funcionou até hoje e está funcionando com o novo livro que estou escrevendo.
Fiquei feliz em conhecer seu blog e serei seguidora. Abraços

Alexandre Lobão disse...

Oi Vilto,
Obrigado pela força, se quiser trocar ideias sobre algo específico, basta sugerir!
Visitei seu blog e gostei bastante do visual e do conteúdo; seu conto do cupido traz um humor leve e divertido, que é difícil de encontrar por aí, parabéns! :)

Alexandre Lobão disse...

Oi Soraya,
Eu também nunca havia escrito assim - Já fiz muita coisa com prazos, mas com cronograma foi a primeira vez. Em minhas experiências anteriores eu fazia como você e nunca senti falta de um cronograma; o único risco é o serviço se acumular e você precisar ficar diversas semanas de trabalho intensivo para poder terminar no prazo estipulado.

Não achei burocrático (em apenas 3 cliques eu atualizo o andamento do cronograma), nem limitante; mas sim mais uma ferramenta de estímulo. É sempre bom contar com apoio na hora de estabelecer novos hábitos, como por exemplo definir agenda para ajudar a criar uma rotina de exercícios físicos.

Entre prós e contras, não sei se vou manter a prática do cronograma, mas como experiência tem sido bem interessante. :)

[]s e obrigado pelos comentários!