14 de fevereiro de 2013

Como dar vida a seu personagem - E dicas de cursos, concursos e livros para escritores!

A
ntes de voltarmos ao assunto dos personagens, gostaria de passar algumas dicas de leitura, cursos e concursos a vocês:
  • Não percam o livro "Ficcionais – Escritores revelam o ato de forjar". Organizado por Schneider Carpeggiani para a Editora Cepe, este livro traz diversos depoimentos de escritores sobre o ato de escrever, com certeza vale à pena.
  • Estão abertas até 1 de junho as inscrições para o 13º Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães. Até três contos por autor podem ser inscritos até 1º de junho. Os dois primeiros colocados receberão o troféu Vasco Prado e uma premiação em dinheiro (R$ 5.000 para o primeiro e R$ 3.000,00 para o segundo). Confira mais detalhes no site do concurso.
  • Até 28 de fevereiro estão abertas as inscrições para I Concurso de Prosa, Poema e Fotografia no âmbito do Plano Juventude Viva, uma ação do Plano de Prevenção à Violência contra a Juventude Negra. O concurso destina-se a jovens entre 15 e 29 anos, e irá premiar os 30 melhores trabalhos apresentados nas três categorias. Veja mais detalhes no site da Juventude Viva.
  • Se você mora em São Paulo, corra que ainda dá tempo (até dia 19 de fevereiro!) de se inscrever no CLIPE - Curso LIvre de Preparação do Escritor, promovido pelo Centro de Apoio ao Escritor (CAE) e que ocorrerá na Casa das Rosas, no Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura (Av. Paulista, 37, São Paulo. Tel.: 11 3285-6986). O curso é composto por oito módulos mensais com oito aulas cada, sendo cada módulo ministrado por um professor convidado. As aulas serão realizadas às quintas-feiras, das 19h30 às 21h30, e aos sábados, das 10h às 12h. Mais informações e inscrições, no site da Casa das Rosas.
Agora, voltemos ao assunto dos personagens!

No post anterior, sobre o que torna um personagem inesquecível, comentei que o mais importante é deixar o personagem criar vida e tomar as rédeas da história.
Mas como, na prática, fazemos isso?
Acredito que cada autor deve ter sua técnica particular, então vou compartilhar algumas das minhas ferramentas aqui, na esperança de conhecer um pouco as de vocês.

''A perfeição é chata: um bom personagem tem defeitos, pequenas manias e incongruências que o tornam único"

O primeiro passo a dar é ter certeza que seu personagem começa bem, detalhando-o bem física e psicologicamente, ainda em termos simples. Assim, quando começar a se organizar para escrever seu livro, entreviste seu personagem com perguntas simples: Qual a sua idade? Como é o nome de seus pais? Onde você nasceu? Onde mora? A seu ver, quais são as suas três melhores qualidades? E os seus três piores defeitos? Como seus amigos veem você; qual a característica de que eles lembrariam? Ele tem algum animal de estimação? Se tem, ou se tivesse, qual seria?

Tendo feito esta entrevista, o segundo passo é aprofundar este entendimento através de perguntas cuja resposta seja uma pequena história. Deixe seu personagem falar sobre si! Pergunte, por exemplo: Como você reagiria se estivesse jantando com a família em um restaurante, e um bando de assaltantes invadisse o local para realizar um assalto? Como você age quando um mendigo o aborda na rua pedindo dinheiro? Como você reagiria se encontrasse uma carteira com uma pequena fortuna dentro? E se uma linda mulher puxasse conversa em um bar? E se recebesse uma cantada de alguém de seu próprio sexo?

Para aprofundar um pouco mais a psiquê do personagem, um possível terceiro passo é realizar perguntas cujas respostas sejam historinhas sobre o jeito de ser do personagem, perguntas mais pessoais e íntimas, sobre o que ele sente, e não sobre como ele age ou reage. Nesta linha, podemos perguntar: (a respeito de cada uma das características) como você descobriu que era assim, ou seja, conte como foi a primeira vez que se deu conta de que tinha tal característica. E quanto aos seus amigos, porque eles pensam que você é assim? Dê exemplo de uma situação que levou-os a pensar desta forma. Como você se sente a respeito deste problema que você tem? E por aí vai.

E você, que dica você daria para seus colegas escritores? Como você faz para que seus personagens sejam mais reais para você?

Gostou?  este post!

12 comentários:

mateus disse...

muito boas essas dicas!

Alexandre, você intende bem desse negocio de concursos literários, tem algumas dicas que você poderia dar sobre isso?
eu estava pensando em me inscrever em um, mas não faço ideia do que mostrar para eles, não sei dizer se o que escrevo esta à nível disso. Tentei dar uma olhada na internet sobre ganhadores de concursos passados e os textos que eles escreveram, mas não encontrei muita coisa. tem alguma sugestão sobre isso?

Alexandre Lobão disse...

Oi Mateus,
O assunto é complicado, não consigo pensar em uma dica específica para lhe dar, a menos de pedir que alguém revise seu texto para evitar que erros simples de português comprometam suas chances. Além disso, leia o edital do concurso com calma, para garantir que não será desclassificado por alguma besteira.
Como já fui jurado em diversos concursos, posso dizer que o nível dos participantes varia bastante, havendo histórias excelentes de diversos estilos, desde as clássicas até as inovadoras, e textos bem fracos de todos os estilos também.
O importante é ter uma história que, além de bem escrita, mexa com o leitor, não apenas uma história inspirada, mas uma história inspiradora.
Boa sorte, e se tive alguma questão mais específica sobre o assunto (ou outros assuntos...) comente aqui que a gente vai conversando!







Alves Filho disse...

Mais uma vez eu encontro excelentes dicas em seu blog! Parabéns e muito obrigado por sempre compartilha seus conhecimentos conosco. Bem, agora que já "puxei o seu saco", gostaria de deixar aqui algo que aprendi no pouco tempo que escrevo. Eu geralmente faço o seguinte: converso com o personagem até sentir que ele está tomando uma forma própria, depois o coloco em certas situações e ajo como alguém que esteja apenas observando. É isso, espero que isso ajude alguém! Um grande abraço e até a próxima!

Alexandre Lobão disse...

Hehe! Obrigado pela força, Alves!
Com certeza sua dica é valiosa, pois quando conseguimos "ficar apenas observando", como você colocou, é porque nosso personagem está bem definido. Praticar conforme você sugere com certeza fará com que os personagens "criem vida" mais rápido.

[]s!

mateus disse...

Alexandre, obrigado por ter respondido minha pergunta =)

você sabe se nos sites dos concursos eles deixam os textos vencedores das edições passadas? quero ler os textos que venceram pra ter uma noção do tipo e do nível de escrita que vencem esses concursos.
obrigado, e continue com o site, esta muito bom. o conteúdo e design estão ótimos.

Alexandre Lobão disse...

Oi Mateus,
Normalmente os concursos não publicam os textos vencedores na internet, mas diversos deles publicam coletâneas com os textos ganhadores, como os concursos do SESC, por exemplo. Procure se há uma rerpesentação do SESC em sua cidade, se houver provavelmente eles terão uma biblioteca que terá as coletâneas vencedoras dos anos anteriores.
[]s, obrigado pelas palavras de incentivo e boa sorte!

DevanilJunior disse...

Olá Alexandre,

ótimas dicas, as usarei.

Eu tenho uma dúvida: devo criar primeiro os personagens e inserir sem seus cenários, ou criar os cenários e imaginar os personagens daí?

abçs e obrigado pela sua disposição

Alexandre Lobão disse...

Oi Devanil,
Se eu falar que "depende" você vai ficar com muita raiva? ;)
Na verdade, eu diria que você cria os personagens e a trama mais ou menos em paralelo, e o "cenário" por último. Digo isso porque quando você define os personagens, você irá pensar não só as características de cada um, mas também suas metas, e é do conflito entre as metas do protagonista e do antagonista que nasce a trama. Um personagem sem um objetivo leva a um livro sem história, simplesmente não dá.
Agora, digo que o cenário pode ser incluído por último pois os mesmos personagens e a mesma trama podem acontecer em cenários variados. Por exemplo, um personagem cujo objetivo é "vingar a morte de sua esposa amada" pode ser um índio lutando contra cowboys nos velho oeste americano, ou pode ser um ex-astronauta lutando contra a corrupção que infesta uma colônia da Terra em alfa-centauro, ou um gari que luta contra o crime organizado de um morro no Rio de Janeiro. Entende? O cenário completa e dá vida à trama, e pode até aparecer antes dos personagens, mas acredito que o usual é que ele apareça aos poucos à medida em que a trama e os personagens vão sendo detalhados.

Fátima Kneipp disse...

Oi Alexandre, tudo bem?
Você conhece/já utilizou os serviços do site Mesa do Editor? Acha que vale a pena ser assinante desse portal?
Abraços!

Alexandre Lobão disse...

Oi Fátima,
Nunca utilizei nem conheço quem alguém que tenha utilizado os serviços da Mesa do Editor.
Da minha parte sou bastante cético quando a estes serviços que parecem "bons demais"... 2736 agentes cadastrados, 13.860 editoras? Será que todos "se cadastraram" mesmo ou foram cadastrados para chamar a atenção? É uma boa coisa a se verificar...
Outra coisa que eu gostaria de saber, por exemplo, quantos livros foram efetivamente publicados com a intermediação do site; pois para mim parece que uma editora já tem originais demais em suas mãos para ainda ter que lidar com outros originais vindos do site; ou seja, ter um trabalho de "garimpar originais" sem que tenham tido uma avaliação prévia que indique qualquer coisa quanto à qualidade do original.
Minha primeira impressão é de descrença quanto à efetividade do serviço, e que o site parece um caça-níqueis de escritores, mas confesso que fiquei tentado a experimentar...
Se souber de qualquer coisa a mais sobre o site, por favor me avise!
[]s!

Anônimo disse...

Olá Alexandre, tudo bem ?
Que texto maravilhoso. Vc me ajudou bastante. Quando eu pesquisei isso na internet não imaginava encontrar um texto assim. O mais legal é que as perguntas do terceiro passo podemos levar pra nós mesmos.
Está de parabéns :)

Alexandre Lobão disse...

Obrigado pelas palavras de incentivo, "Anônimo". ;)
Com certeza, muitas das técnicas que usamos para aprofundar personagens também servem para fazer uma revisão mental em nossas vidas. Valeu por destacar isso!


Lembro que estas e outras dicas, do blog, de meus workshops e mais um pouco, estão consolidadas no "Bíblia do Escritor", à venda em versão e-book (https://www.amazon.com.br/B%C3%ADblia-do-Escritor-Alexandre-Lob%C3%A3o-ebook/dp/B06W9NRN64) e papel (https://www.amazon.com.br/B%C3%ADblia-do-Escritor-Alexandre-Lob%C3%A3o/dp/8592864046)

[]s!