16 de outubro de 2009

Auto-Publicação - vale a pena?

O colega Hernani, em um comentário sobre meu post sobre a produção de diálogos, levantou a questão: Vale a pena pagar para publicar seu livro? A primeira questão é o orçamento para a publicação, que irá variar largamente dependendo do número de páginas, número e cores das ilustrações, região do país, tipo do papel, e muitos etc. Mas prepare-se para gastar algo entre 3 e 10 mil reais, para livros entre 100 e 300 páginas. O segundo ponto a levar em conta é a procura da "casa" ideal para sua obra, pois há uma série de coisas que uma editora irá fazer que uma gráfica não faz. Cuidado com isso: Existem editoras com programas de "novos autores", que arriscam seu nome em trabalhos específicos, pagos por novos autores mas avaliados antes por profissionais da casa; existem gráficas que se dizem editoras, e existem gráficas. Busque sempre as primeiras, e verifique os trabalhos anteriores da empresa para ter certeza de estar entregando sua obra a uma editora que irá garantir a qualidade que você espera e merece. Publicar seu livro desta forma é razoavelmente fácil; mas este é o menor dos problemas. Muitos escritores iniciantes acham que após a publicação o livro irá "se vender sozinho", e que eles podem partir para escrever o próximo. Ledo engano: uma das maiores dificuldades para novos autores é a distribuição. Como fazer para que seu livro chegue às livrarias? Ele será distribuído nacionalmente? Levante estas perguntas junto à editora que irá publicar seu trabalho, e se a editora for pequena, busque verificar a veracidade das respostas. Estes são apenas dois dos vários problemas da auto-publicação - podemos comentar outro futuramente... Mas e quanto à pergunta do Hernani: Vale a pena? Sim, vale a pena. Meu primeiro livro foi auto-publicado, na editora Thesaurus, de Brasília. André Vianco, hoje autor consagrado pelo público, disse-me certa vez que publicou três ou quatro livros por conta própria, até conseguir emplacar o "Sete" na Novo Século. Além da óbvia vantagem de ser visto - como alguém quer "ser descoberto" por uma grande editora sem ter nada no currículo? - ter um livro seu nas mãos dispara algo mágico: você se descobre escritor, fica motivado a publicar mais, percebe que seu sonho é possível! E depois de publicar o livro, e conseguir que ele seja distribuído nas livrarias, sua carreira de escritor já decolou, e nada pode derrubá-la, certo? Sinto dizer que não é bem assim - ainda resta muito trabalho a fazer, mesmo (ou especialmente...) se você conseguir ser publicado por uma grande editora! Mais sobre isso em um futuro post...

8 comentários:

H. R. Cenci disse...

É por isso que eu ainda aposto minhas fichas em concursos literários.
Abraços!

Fabiana Folly disse...

Obrigado Alexandre pelas dicas!
Abraços

Hernani disse...

Grande Alexandre, muito obrigado mesmo pela resposta detalhada, não sabia desses detalhes que você e o Vianco haviam publicado seus livros bancados do própio bolso. Vou seguir os conselhos mesmo, termino esse romance imagino que em dezembro devido as correrias do dia a dia com a faculdade e trabalho, quem sabe não posso lhe enviar ele para dar uma lida quando ficar pronto?

Um grande abraço e muito obrigado pela resposta!

Alexandre Lobão disse...

Oi Hernani!
Quando acabar seu romance, me envie que darei uma lida, sim!
E caso você queira uma opinião mais formal, estou trabalhando com um agente literário, e a gente oferece um serviço de "leitura avaliativa" que destaca pontos fortes e fracos do texto.
[]s!

Hernani disse...

Ótimo Alexandre, farei isso sim, estou escrevendo um pouco devagar devido a falta de tempo, mas imagino que em breve estará pronto e lhe envio e seria uma maravilha se tambem puder passar para esse agente, poderia me dar mais detalhes, como é o serviço a forma de pagamento, etc... E mais uma vez obrigado pelas dicas e pelo apoio lobão, grande abraço e bom fim de semana.

Alexandre Lobão disse...

Oi Hernani!
O agente de que falei é o Andrey do Amaral. Você pode saber mais sobre ele em http://www.andreydoamaral.com/

[]s!

Roberto Pereira-Saito disse...

Auto-publicação é uma merda porque o autor amador mal sabe escrever.
Quanto mais fazer produção gráfica, diagramação, estudo de logo, capa...
Pode ver que todos os livros amadores são pessimamente produzidos, exatamente porque o autor não tem formação nessa área.
Além do que, um texto ruim fica pior numa produção ruim. E com certeza o autor se queima perante o leitor.

Por isso que é preciso que tenhamos uma formação ampla e não apenas limitada ao texto.

Concurso literário é outra furada porque não leva a lugar nenhum, não dá nada e a corrupção sempre coloca o mano deles na vantagem.

O Vianco deu sorte.
Mas para cada 1 Andre Vianco existem bilhões de autores sem sorte, que precisam batalhar mesmo.

(e o Vianco escreve mal prá caramba, cá entre nós)

Alexandre Lobão disse...

O assunto com certeza é controverso.
Acredito que não podemos generalizar - por exemplo, não dá para dizer que todos que se auto-publicam são ruins ou não são, ou que não querem ser profissionais.
E lembro que a auto-publicação não significa que o autor faz tudo. Meu primeiro livro, auto-publicado (e que julgo ser um bom livro até hoje...) teve um revisor pago, um capista contratado para fazer a capa e contracapa, uma pequena editora cuidando da diagramação, ISBN, etc.
Dos comentários acima, creio que valem dois lembretes:
1) Seja profissional, mesmo (principalmente!) quando auto-publicando seus livros
2) Cuidado com generalizações! Nunca diga "todos" para nada, a vida não é assim! ;)