29 de janeiro de 2021

Como aumentar o suspense e a velocidade de leitura para prender o leitor


N

esta semana, na comunidade  do Telegram que mantenho com dicas para escritores, a colega escritora Luciana Sanches perguntou que tipo de técnicas de suspense podem ser utilizadas para deixar o leitor preso ao texto.

Como respondi por lá, o assunto é extenso, e não necessariamente tem uma resposta objetiva, então achei melhor escrever um artigo a respeito.  

E como não existe uma resposta certa ou única, e poucas fontes que sistematizam o assunto, tentei organizar algumas ideias a respeito, coisas simples mas que muitas vezes não nos damos conta quanto estamos escrevendo — mas gostaria de sua contribuição para ampliar este artigo!

De maneira geral, acho que para aumentar a velocidade de leitura e deixar o leitor "preso" ao texto, vale a pena dividirmos em ferramentas focadas na forma e no conteúdo.

Dicas para tornar a forma de seu texto mais ágil

Nos últimos dois anos, e mais fortemente do início da pandemia para cá, houve um crescimento significativo de leitores de contos. A meu ver, este movimento tem a ver com a mudança que temos percebido na capacidade (ou na incapacidade...) das pessoas de se concentrarem por longos períodos de tempo.    
Pesquisas recentes mostram que as pessoas hoje em dia tem muito menos capacidade de concentração do que há meros dez anos, principalmente como resultado da exposição a informações cada vez mais concentradas. Hoje em dia, a informação que a maioria das pessoas consomem é resumida em 280 caracteres, isso quando muito: Um meme, uma manchete de um artigo (raramente lido) disparada um "lacrou" de um grande número de pessoas, como se toda a verdade sobre determinado assunto pudesse ser resumida em uma imagem e uma frase.
Neste contexto, como ficam os livros? 
Minha leitura da situação (trocadilho proposital...) é que em uma sociedade acostumada à gratificação imediata, os leitores preferem chegar ao clímax da história em um conto de poucas páginas do que precisar ler centenas de páginas para tal.
Nesta linha, uma alternativa radical é migrar sua carreira de romancista para a de contista, isso se você achar que esta visão não só está certa, mas também será permanente. Eu, particularmente, não recomendo isso. Escreva o que você gosta de escrever, algumas coisas não devem entrar em negociação! 
O que pode ser feito quanto à forma, então?
Coisas simples, mas que ajudam muito: diminuir o tamanho das frases, parágrafos e capítulos.  
Qualquer frase com mais de 40 palavras é longa demais, avalie com cuidado como reduzi-la.
Qualquer parágrafo com mais de seis linhas deve receber o mesmo tratamento.
Quanto aos capítulos, aqueles com mais de cinco páginas no Word (que após a diagramação serão no mínimo sete) devem ser analisados para verificar se não podem ser divididos.
Por fim, uma palavrinha quanto ao livro como um todo: Fazendo uma analogia com o mundo audiovisual, hoje há mais pessoas que preferem ver 50 episódios de uma série de TV do que um longa metragem de duas horas de duração. Talvez isso impacte na forma de escrevermos, criando pequenas histórias conectadas em grandes arcos, ao invés de uma longa história.  Pensem nisso!

Dicas para tornar seu conteúdo mais intenso

A forma é a parte mais fácil de ser mexida no texto, e o resultado é apenas quanto à velocidade de leitura, que se por um lado pode ajudar a prender o leitor, por outro não contribui para gerar suspense ou aumentar o interesse na narrativa.
Para melhorar seu conteúdo para aumentar o suspense, o escritor precisa ser muito criterioso quanto ao uso destas técnicas, porque toda técnica tem seus pontos positivos e negativos, o momento certo para usar.  Tentei dar uma visão geral de algumas destas técnicas a seguir, destacando estes detalhes.
  • Uso dos 6 sentidos do personagem: Quando escrevemos a primeira versão do texto, usualmente lembramos apenas de descrever o que ocorre (visão) e incluir diálogos e eventuais explosões e outros "efeitos sonoros" (audição). Ao incluir outros sentidos, você aumenta consideravelmente a imersão do leitor. Por exemplo:
    • Marta levantou do sofá, foi até a porta e a abriu. Do lado de fora, o mundo estava estranhamente silencioso.
    • Marta levantou do sofá, sentindo que havia algo de errado (intuição, o sexto sentido). Caminhou até a porta, e quando segurou na maçaneta percebeu que ela estava estranhamente fria (tato). Ao abrir, sentiu um cheiro adocicado (olfato), que a lembrou de coisas antigas e mortas. Do lado de fora, o mundo estava estranhamente silencioso.
  • Uso de "flashforwards" para gerar suspense: O trama está lenta? Mostre ao leitor uma cena futura, muita intensa.  O leitor vai ficar ansioso para lê-la, o que aumenta o suspense e acelera a leitura!
  • Uso da intuição dos personagens ou menções do narrador sobre o futuro: A técnica é semelhante ao flashforward, mas ao invés de uma cena utiliza-se algo breve, apenas para espicaçar a curiosidade do leitor.  Por exemplo: "Beijou o marido como se fosse a última vez, sorriu e foi para o trabalho. Mal sabia ela que aquela seria realmente a última vez.", ou "Olhou para ele e sentiu um aperto no coração, como se fosse a última vez que o veria. Beijou-o longamente e saiu para o trabalho, sem conseguir afastar a sensação ruim".
  • Use cliffhangers: Há muitas formas de criar cliffhangers, inclusive os dois tópicos anteriores, mas a mais comum é interromper a ação em seu clímax. Por exemplo, ao invés de uma personagem chegar para um outro no fim de um capítulo com uma grande revelação ("Estou grávida!"), o que fazemos muitas vezes para terminar o capítulo com impacto, a ideia do cliffhanger é adiar este impacto para gerar suspense. No caso, o capítulo terminaria com uma frase do tipo: "Preciso lhe contar uma coisa que vai mudar a sua vida!".
  • Inclua fatores limitantes em sua história: A trama está evoluindo lentamente? Inclua alguma limitação, por exemplo de quantidade ("só existem cinco bilhetes premiados para visitar a Fábrica de Chocolate, preciso encontrar um deles") ou, o que é mais comum, de tempo ("Preciso convencer meu amigo a não se casar no mês que vem", ou "Escondi uma bomba em um local muito movimentado da cidade. Vocês têm 24 horas para pagar ou a bomba explodirá.". 
Estas são algumas das técnicas para aumentar o suspense que consegui lembrar, mas com certeza há muitas outras.  Por favor enviem suas contribuições, que irei atualizando este artigo.

Comente aqui ou em minhas redes sociais, que seu retorno é importante para que, em futuras lives ou artigos, eu possa ajudar mais colegas escritores a realizarem seus sonhos!



Seja informado sobre meus futuros artigos participando da minha comunidade de escritores no Telegram.

Dúvidas, comentários, sugestões? Comente aqui ou fale comigo em: 

18 de janeiro de 2021

Escreva seu livro: Sete dicas para definir metas e conseguir atingi-las!


T

odo ano é a mesma coisa... 

Na virada do ano você pensa o que pretende realizar (escrever seu livro, perder peso, mudar de emprego...); e no fim do ano revisa as mesmas metas, que ainda continuam sendo ainda isso: apenas metas. 

Se você achou que isso se aplica a você, não desanime: cerca de 80% das pessoas não atingem suas resoluções de ano novo; sendo que a maioria destas simplesmente desiste nos primeiros dois meses.

Por que?

Ora, há muitos fatores, inclusive os psicológicos: é difícil sair de nossa zona de conforto, mesmo que este "conforto" seja um emprego ruim, um peso a mais ou a menos do que gostaríamos, um livro que nunca terminamos. Até porque para mudar é preciso se mover, enquanto o mais fácil é simplesmente continuar na rotina a que já estamos acostumados. 

Para conseguir quebrar este ciclo, selecionei algumas dicas de planejamento e de organização de tempo; e na sequência dou algumas ideias sobre como usar estas dicas dentro do mundo da produção literária.

Ferramentas para definir metas, planejar seu trabalho e executá-lo

  1. Explicite suas metas e as torne públicas. Não adianta pensar "quero escrever um livro": escreva suas metas e as coloque em um local onde você verá todos os dias, como a parte de dentro de seu armário. Além disso, conte suas metas para outras pessoas: isso dá realidade para elas, e cria em você uma certa "obrigação" mental de atingi-las!
  2. Defina metas inteligentes "SMART".  O acrônimo refere-se a cinco características essenciais para as metas a serem definidas (escrito com as letras iniciais das palavras em inglês): eSpecíficas (metas precisam ser objetivas, como "perder 5 quilos", e não "perder peso"), Mensuráveis (é importante ser possível medir para saber se estamos avançando em direção à meta), Atingíveis (não adianta tentar definir metas impossíveis!), Relevantes (Selecione as metas que realmente são importantes para você, não gaste tempo com as outras) e Temporizáveis (é essencial que você defina um prazo para atingir a meta). 
  3. Use mapas mentais para uma visão geral das metas. A vantagem dos mapas mentais é que permitem que você organize as ideias em grandes áreas, para ir detalhando depois. Por exemplo, você pode ter uma meta "Livros", com os detalhes "Terminar revisão do livro X", "Conseguir editora para livro Y" e "Escrever livro Z". Não esqueça do SMART: Para que as metas sejam atingíveis (entre outras coisas), não defina metas demais - mesmo que simples! Eu uso uma ferramenta gratuita para desenhar os mapas, o Freemind, mas a ferramenta não é importante, pode ser até desenhado a mão. O importante é ter o mapa em mãos, e pregá-lo em um local onde você o verá frequentemente. 
  4. Organize sua agenda semanal. Desenhe uma tabela com os dias da semana e marque os horários que você vai reservar para trabalhar nas suas metas. Por exemplo, se sua meta é juntar algum dinheiro para uma viagem, reserve uma hora no início da segunda feira para calcular os custos da viagem, outra hora para pesquisar lugares para ficar e visitar, talvez uma terceira para buscar formas de economizar e ganhar dinheiro para viabilizar a viagem etc. Da mesma forma que o mapa mental, coloque a agenda em um local visível, para manter o seu compromisso de cumpri-la. 
  5. Defina metas de curto, médio e longo prazo. Este ponto é talvez o mais importante. Não adianta apenas definir como meta "Escrever o livro Z", porque esta meta só se concluirá ao fim do livro, talvez ao fim de vários meses. Pata metas de longo prazo, você precisa decompor as metas até um tamanho que você consiga estimar a duração, para conseguir se organizar direito. Por exemplo, se sua meta é erguer as paredes de uma casa, com suas próprias mãos, você saberia dizer quanto tempo demora? Se não, quanto demoraria para as quatro paredes de um quarto? E o tempo para uma parede? E quanto demora para cimentar um tijolo no outro? Se você consegue estimar o tempo de cimentar dois tijolos, a segunda pergunta seria "quanto tempo consigo ficar cimentando tijolos por semana?".  A ideia é ir dividindo a meta até conseguir uma estimativa de quanto você consegue produzir em uma semana, para poder gerenciar melhor seu trabalho. Na próxima parte vou aprofundar um pouco este ponto, para ficar mais claro como podemos definir estas metas para livros.  
  6. Defina pontos de controle.  Este ponto também é essencial: Abra seu celular e coloque um alarme que se repete no início ou fim da semana, indicando que é hora de controlar suas metas. A cada semana, você irá rever se conseguiu atingir as metas da semana anterior e se preparar para o que vai fazer na próxima semana.  Faça o mesmo com o calendário do celular, colocando um lembrete ao fim de cada mês. A diferença do ponto de controle mensal é que neste você vai ver se atingiu a meta de médio prazo do mês e, se não atingiu, ver o que é necessário mudar em sua agenda ou forma de trabalho para que isso não se repita. Caso você tenha atingido a meta, aproveite este momento para celebrar e, se sentir que é possível, colocar metas mais desafiadoras para o próximo mês.
  7.  Descubra e elimine os "comedores de tempo". A gente não imagina o tanto de tempo que perdemos com inutilidades até que paremos e prestemos atenção. Mesmo que você seja daquelas pessoas que não gostam de planejamento, esta dica é importante porque lhe permitirá ter mais tempo para dedicar ao que é importante. Para isso, revise mentalmente a sua rotina e preste atenção nos detalhes que lhe tomam tempo, mesmo que pouco, e pense em como eliminá-los. Por exemplo, se você assiste jornal na televisão na hora do almoço e do jantar, provavelmente vai apenas ver notícias repetidas. Hoje em dia o "comedor de tempo" mais comum são as aplicações de mensagens e as redes sociais. De vez em quando, você "dá uma paradinha" para olhar as mensagens, sem se tocar que além do tempo perdido, que se acumula com as muitas paradinhas, você perde produtividade, porque deixou de fazer o que estava fazendo, e perde tempo para retomar o raciocínio. Minha sugestão (experimente por dois ou três dias que você verá a diferença!) é definir momentos específicos para ver as mensagens e redes, por exemplo ver apenas quando está no ônibus, ou durante uns poucos minutos pela manhã, na hora do almoço e à noite. Com o tempo, você descobre que na verdade não precisa ler todas as piadas de todos os grupos de que participa, e que mesmo trocando mensagens em apenas alguns momentos você consegue manter os laços de amizade com todos. E vai descobrir que estas horas todo dia que você foca no que é importante (seu trabalho e suas metas) se tornam muito mais produtivas! 

Como usar estas ferramentas para escrever um livro?

Recomendo fortemente que você leia o post onde falei sobre como se organizar para escrever um livro, pois ele dá uma ideia um pouco mais precisa da tarefa de organização do conteúdo; o que gostaria de fazer aqui é repassar as ferramentas e dar exemplos mais palpáveis de seu uso na produção de um livro ou roteiro.  Vamos lá: 

  1. Explicite suas metas e as torne públicas. O primeiro passo para escrever um livro é acreditar que você pode e se comprometer a fazê-lo. Se você ainda não sabe exatamente sobre o que será seu livro, qual será o conflito central da trama, ou como serão os personagens, sua meta deve ser detalhar estes elementos nas próximas duas semanas. Escreva isso como parte de seu mapa mental (veja item 3), 
  2. Defina metas inteligentes "SMART".  Apesar de o uso desta ferramenta ser bem fácil de entender, vale um alerta: Não defina metas demais. "Terminar o livro X" já é uma meta desafiadora, para quem nunca terminou um livro. E não se esqueça de colocar um prazo adequado: com alguma folga, um livro infantil pode ser escrito sem dificuldades em um mês, um infanto-juvenil de 60 páginas em torno de 3 meses, um romance de 200 páginas em algo entre 6 e 8 meses.  Lógico que isso varia largamente, dependendo de muitos fatores, mas o macete é definir um prazo, acompanhar, e ajustar o prazo conforme você descubra sua produtividade. E se atingir suas metas antes do fim do ano, melhor ainda: defina uma nova meta, e comece a correr atrás dela! 
  3. Use mapas mentais para uma visão geral das metas. Os mapas mentais servem para organizar as ideias, sem uma ordem temporal, por isso servem muito bem para começar a organizar em sua cabeça tudo o que você precisa saber sobre determinado assunto. Assim, para escrever um livro, você pode detalhar etapas como "pesquisa" (com subitens para cada item que precisa ser pesquisado), "personagens" (com um subitem para cada personagem a ser detalhado), "Elaborar pontos de virada", "Desenhar mapa do ambiente do livro" etc. Mapas mentais são também excelentes ferramentas para apoiar o detalhamento de personagens, mas não muito recomendáveis para organizar as cenas de cada trama, porque neste caso a informação de tempo, de sequência das cenas, é importante. 
  4. Organize sua agenda semanal. Uma dica essencial quanto à agenda é a seguinte: nos momentos reservados para escrever, apenas escreva. Não pesquise sobre os assuntos associados à escrita, não espere por inspiração, apenas sente e escreva, o melhor e mais rápido que puder. Você irá revisar e com certeza cortar no mínimo 10% do que escreve, então neste momento se preocupe apenas em manter a história andando. Isso é essencial para manter a motivação, e uma das mais significativas ferramentas para melhorar a qualidade de sua escrita: só a prática leva ao aprimoramento!

      "Comece escrevendo, não importa o que. A água não flui enquanto a torneira não está ligada"

      Louis L’Amour, escritor norte-americano de mais de 100 livros, entre romances, livros de contos e trabalhos de não-ficção
  5. Defina metas de curto, médio e longo prazo. Como decompor um livro? Há várias formas de fazê-lo, como já falei em diversos artigos, mas para ser breve vou dar apenas uma técnica simples, conhecida no mundo do audiovisual como outline. A ideia do outline é bem simples: descreva em uma linha cada cena de seu livro. Não inclua descrições, diálogos nem nada do tipo: são apenas lembretes para você do que vai ocorrer. Ao fim, você terá uma lista de tudo o que irá ocorrer na sua obra, que permitirá não apenas que você tenha uma visão geral da história e a valide, como também definir as metas. Assim, por exemplo, sabendo que seu livro terá 200 cenas, você pode definir que escreverá 5 cenas por semana, cerca de 20 por mês, e com isso calcular que terminará seu livro em 10 meses. 
  6. Defina pontos de controle.  Sabendo suas metas, fica fácil definir estes pontos de controle. Lembre-se sempre de verificar, a cada ponto de controle, se você atingiu a meta do período e conforme sua evolução recalcular suas metas. Por exemplo, se ao fim do primeiro mês você conseguiu escrever 10 cenas (ao invés de 5) e acredita que conseguirá manter o ritmo, recalcule que seu livro ficará pronto em 5 meses, e nos próximos pontos de controle acompanhe de atingiu esta nova meta. Detalhe: mesmo sem calcular o tamanho do livro, você pode e deve definir metas e pontos de controle, mesmo que mais simples, como: "Escrever 4 páginas por semana". Fazendo assim, você garante a motivação necessária para continuar escrevendo, ao ver seu trabalho evoluir dia a dia.    
  7.  Descubra e elimine os "comedores de tempo". Além do que já falei sobre esta dica, vale reforçar o que falei no ponto 4: Se você está escrevendo, apenas escreva. Retire os comedores de tempo de sua rotina como um todo, e você terá tempo de escrever. Retire os comedores de tempo de seu tempo de escrever, e você será produtivo! 

Uma procura na internet por "Gestão de tempo e produtividade" lhe mostrará diversas ferramentas como estas, que podem lhe ajudar a focar melhor seus esforços e tirar o máximo de seu potencial, seja para escrever livros, seja para realizar outras de suas metas.

E você, já tentou se organizar usando alguma destas ferramentas? O que deu certo, o que deu errado, o que pode ser feito de forma diferente?

Comente aqui ou em minhas redes sociais, que seu retorno é importante para que, em futuras lives ou artigos, eu possa ajudar mais colegas escritores a realizarem seus sonhos!



Seja informado sobre meus futuros artigos participando da minha comunidade de escritores no Telegram.

Dúvidas, comentários, sugestões? Comente aqui ou fale comigo em: 

20 de dezembro de 2020

Como organizar as tramas para escrever romance ou roteiro de audiovisual - e evitar o bloqueio de escritor!

Aristóteles, em seu Poética, estabelecia algumas regras essenciais até hoje para a organização da trama de uma história

E

screver um romance ou roteiro de longa-metragem é um esforço que, além de vontade, demanda persistência do escritor. Serão semanas, ou provavelmente meses, de trabalho para conseguir chegar à primeira versão da obra - isso sem contar as inúmeras revisões que serão necessárias para fazê-la chegar na versão pronta para ser mostrada a outras pessoas.

Provavelmente a dificuldade de se manter motivado é o que faz com que a maioria dos escritores de primeira viagem abandonem a empreitada antes da sua conclusão, mas aliado a esta, e tão danosa quanto, é a dificuldade de se organizar para uma obra desta monta.

Mas exatamente o que significa se "organizar" para escrever um livro, e como fazer isso?

Por que se organizar para escrever um livro? E o que organizar?

Sendo bem claro: se a história não cabe inteira em sua cabeça, incluindo cada uma das tramas em separado e os perfis de cada personagem, suas motivações e ações dentro de cada trama, então você precisa se organizar.  

E lembre-se que estes detalhes todos precisam estar em sua mente o tempo todo da escrita, com as tramas e personagens evoluindo a cada página escrita.

Imagine, só para complicar, uma situação comum na vida de qualquer escritor: no meio do livro, você sai de férias, ou tem algum problema qualquer que o impede de escrever por duas ou três semanas... Na volta, como lembrar de tudo o que estava acontecendo?

Além desta questão, a organização das tramas e personagens e é essencial para oferecer ao escritor uma visão geral da história que ele está escrevendo, e de qual o papel de cada personagem nesta história.  Sem esta organização, a história fica à deriva, hora indo para um lado, hora para outro, o que pode ser exatamente o que um autor experiente deseja fazer - mas que em autores iniciantes gera a sensação de que ela não está avançando, o que acaba desembocando em um dos maiores motivos para o bloqueio de escritor: não saber como continuar. 

Mas como é que se faz, afinal, esta organização?

Para que servem as tais "ferramentas para organizar a trama" (e personagens)

Já escrevi diversos artigos sobre como elaborar personagens mais interessantes, e posso voltar ao tópico se lhes interessar (comentem!), então para tornar este artigo mais centrado, vou focar em algumas ferramentas de apoio à organização das tramas.

Antes de começar, só gostaria de reforçar o que sempre falo: As ferramentas existem para o escritor, não o escritor para as ferramentas. Não existe uma "ferramenta mágica" que vai dar um caminho perfeito para escrever uma história nem resolver as suas dificuldades criativas do autor; as ferramentas são meramente instrumentos para ajudar a tirar o máximo do seu potencial. São trilhas, que podem ser seguidas ou não, mas que dão um rumo, e nunca trilhos, que amarram o autor em uma forma padrão de trabalho. Escrever é uma atividade criativa, portanto cada escritor vai ter sua forma particular de fazê-lo.   

Um segundo ponto, tão ou mais importante que esse, é que em pelo menos um ponto crucial a profissão de escritor se assemelha em muito a qualquer outra, seja associada às artes ou não: quanto mais estudar, quanto mais praticar, melhor é o resultado do que se escreve. Parece óbvio - e realmente é! - mas há ainda muitos escritores que acham que se estudarem uma técnica qualquer de escrita, estarão "limitando a sua criatividade", "engessando sua forma de escrever" e outras coisas do gênero. Este preconceito é muito comum na América Latina como um todo, e confesso que ainda não consegui entender porque, já que aceitamos muito bem as universidades para todas as outras Grandes Artes. Se algum de vocês tiver alguma teoria a este respeito, adoraria ouvir!

E como são estas ferramentas?

Depois de falar tanto, corro até o risco de ser anticlimático ao listar algumas ferramentas, até porque elas parecem óbvias demais. Mas este é exatamente o ponto: elas parecem óbvias justamente porque fazem sentido!  Simplesmente, são formas de você fazer formalmente, conscientemente, algo que você já fazia sem registrar, fazia só de cabeça, inconscientemente. E ao explicitar o conhecimento, ele sempre se torna mais fácil e mais garantido de ser utilizado.

O primeiro ponto, central a todas as tramas, é o conflito. Toda história é sobre ALGO que aconteceu a ALGUÉM. Sem este "algo", o conflito que vale uma história, você não tem uma história. Já repeti mil vezes esta frase aqui, mas não tem como não repetir a frase de John Le Carré, escritor britânico famoso por seus romances de espionagem, falecido em dezembro de 2020:


“O gato deitou no tapete não é uma história, mas o gato deitou no tapete do cachorro, sim” 


Estando bem claro que uma história é sobre um conflito, há dois pontos cruciais que dividem a história em três partes, como já estabelecia Aristóteles em seu "poética", há cerca de 3.000 anos: Começo, meio e fim. Mais tarde, estes pontos (e outros pontos onde a história muda de rumo) foram batizados de pontos de virada.

Simples demais?  Pois é! Simples demais, mas ainda assim muita gente não segue isso...  

Vamos detalhar em alguns passos, para que fique claro como isso pode útil como ferramenta de escrita. 

  1. Pense no conflito. Para isso, é claro, você precisa estabelecer também quando a história ocorre, onde ela ocorre, quem é o protagonista e quem (ou o quê, no pior dos casos...) será o antagonista.  Registre isso em frases curtas, para ficar bem claro para você mesmo se esta é uma história que vale a pensa ser contada, e também se é a história que você quer contar.
  2. Início da história: Pense em como é a vida do protagonista ANTES de começar o conflito. Esta parte é geralmente curta, entre 5% e 10% do tamanho total da história. É aqui que o leitor vai se interessar pelo protagonista e conhecer seus valores e sua meta de vida. Escreva algumas linhas descrevendo sucintamente (isto é para você, não para o leitor) este status quo inicial.
  3. Ponto de virada inicial: Pense em como o conflito aparece na vida do personagem, qual o primeiro sinal de que a vida dele mudou ou vai mudar. É aqui que o lobo aparece na história, por exemplo. Anote uma frase curta indicando exatamente o que acontece.
  4. Meio da história: Pense brevemente em tudo o que o personagem vai passar com a mudança ocorrida, registrando em frases curtas cada uma das etapas de sua história.  Há muitas possibilidades que podem ajudar nesta parte, como por exemplo:
    • Para histórias centradas em personagem, algo semelhante aos cinco estágios do luto do modelo da psicóloga suíça Elizabeth Kübler-Ross:
      • O protagonista tentar negar a mudança e viver como vivia antes.
      • O protagonista tem raiva e luta para que a mudança não ocorra, faz ativamente força para que as coisas voltem ao que eram.
      • O protagonista tenta barganhar, ele aceita a mudança mas tenta reter algo de seu passado. 
      • O protagonista entra em depressão porque percebe que não tem como evitar o novo estado das coisas
      • O protagonista aceita o novo estado das coisas, e ou luta ativamente para se adaptar a ele, ou começa a revisar sua vida para ver o que mais precisa mudar para que se adapte.
    • Para histórias centradas na trama, pensar em outros pontos de virada como no modelo da Jornada do Protagonista, que descrevo com mais detalhes n'A Bíblia do Escritor
      • 10%: Aparece o conflito. 
      • Personagem não acredita, ou simplesmente não aceita que a mudança é necessária, e tenta continuar com sua vida - ainda que fique cada vez mais claro que isso não será possível.
      • 25%: Algo ocorre que personagem é obrigado a seguir em frente.
      • O protagonista continua reticente, sempre buscando formas de retornar ao status quo inicial.
      • 50%: Protagonista percebe que não pode mais retornar
      • A aceitação faz com que o protagonista mude sua postura e tente buscar soluções mais ativas para conflito.
      • 75%: Personagem percebe que não há soluções paliativas, precisa mudae de estratégia e resolver o conflito de vez.
      • Personagem enfrenta grandes riscos porque a estratégia de confronto direto é a mais perigosa.
      • 90%: O conflito é resolvido 
  5. Ponto de virada final: Pense em como o conflito termina. Se um lobo apareceu no passo três, ele tem que ser morto, ou sua ameaça neutralizada definitivamente de uma forma mais positiva (de repente, ele se torna vegetariano...). Novamente, uma frase curta em suas anotações vai lhe lembrar como você vê o conflito sendo resolvido.
  6. Fim da história: Pense em como será a vida do protagonista DEPOIS de resolver o conflito. Esta parte é geralmente curta, entre 5% e 10% do tamanho total da história. É aqui que o leitor vai saber como passar por toda a história realmente transformou o personagem, seu valores e sua meta de vida. Da mesma forma que nas etapas anteriores, escreva sucintamente como será este status quo final.

Se você fizer tudo isso direitinho, ao fim deste planejamento você terá algumas poucas páginas com tudo o que de realmente importante acontecerá em sua história. Ainda que você não siga suas anotações porque alguma ideia melhor apareceu no caminho, você terá um guia seguro para continuar escrevendo, pois ao saber aonde vai, você não se perderá, nem ficará bloqueado por falta de ideias.

Uma segunda ferramenta, igualmente interessante e simples, é criar um outline de seu texto. O termo, comum entre roteiristas de audiovisual, se refere a uma lista de frases curtas, uma linha cada, que descrevem brevemente cada cena.  A grande vantagem do outline é que você terá uma visão completa de sua obra antes de começar realmente a escrevê-la, e se não gostar, basta jogar 90 ou 120 linhas de texto fora e começar de novo.

Uma outra vantagem desta ferramenta é que ela atende também àqueles escritores que "não gostam de usar ferramentas". Se você não quer pensar em conflito, não acha interessante organizar a história em começo, meio e fim, e nem quer saber o que são pontos de virada, ainda assim você poderá escrever um outline para "validar" sua ideia antes de começar, perdendo assim apenas algumas dezenas de linhas, ao invés de algumas dezenas de páginas, caso perceba que a ideia não era tão boa assim, ou caso decida dar um novo rumo às coisas no meio da história. Lembro que o outline é uma trilha, não um trilho, então pode ser mudado e reescrito a qualquer ponto, conforme novas ideias surjam no correr da escrita.

Bom, espero ter ajudado a organizar algumas ideias, mas se algo não ficou claro, comente ou entre em contato, que sempre estou à disposição para esclarecer e ajudar colegas de profissão!

E você, usa alguma técnica específica para organizar suas histórias antes de começar a escrevê-las? Comente e compartilhe com os colegas escritores, pois com uma comunidade forte todos crescemos! 



Acompanhe minhas dicas para escritores no YouTube, e assine meu canal lá para não perder as novidades: https://bit.ly/AlexandreLobao 

Dúvidas, comentários, sugestões? Comente aqui, ou fale comigo em minhas redes sociais: 

Gostou?  este post!

12 de dezembro de 2020

Para que servem arquétipos na construção de personagens?

M

uito se fala sobre a Jornada do Herói e dos arquétipos que fazem parte dela, que muitas vezes são vendidos como uma "solução milagrosa" para criar grandes histórias: Crie a trama baseada na Jornada do Herói, defina os personagens seguindo os arquétipos e voilá!

Se você detectou uma ironia explícita, não é a toa: não acredito em fórmulas ou "soluções milagrosas" para escrever livros ou roteiros de obras audiovisuais. Pense bem: se houvesse uma solução mágica, nunca veríamos filmes de orçamentos multimilionários naufragarem nas bilheterias.

Mas então para que servem a Jornada e seus arquétipos?

Uma breve visão da utilidade da Jornada do Herói

Vale lembrar que a origem da Jornada do Herói foi uma análise realizada pelo psicólogo Joseph Campbell de um grande conjunto de mitos ancestrais e histórias mais recentes, a partir da qual ele chegou à conclusão de que todos os mitos seguem uma mesma estrutura narrativa, a que ele chamou de "monomito". Esta estrutura de 17 passos (mencionada no livro O Herói de Mil Faces) foi posteriormente adaptada por Christopher Vogler para a "Jornada do Escritor", uma versão de 12 passos utilizada pelo autor para permitir uma abordagem sistematizada na revisão de roteiros da Disney, onde ele trabalhava na época. 

É importante reforçar que a ideia de Vogler nunca foi (e ele reforça isso em suas palestras) usar a Jornada do Herói como um esquema para criar estruturas para histórias, e nem mesmo para reforçar, na revisão, a inclusão de todos os passos nos roteiros revisados, mas apenas como uma ferramenta de apoio para esta revisão, uma base de comparação para verificar se o roteiro avaliado poderia ser de alguma forma melhorado com a inclusão de algum destes passos.

O que são arquétipos, e quais fazem parte da Jornada do Herói

A palavra arquétipo vem da junção de duas palavras em grego, indicando "tipo" ou "marca" (arché) "inicial" (tipós), usada originalmente para indicar uma placa com relevos a partir da qual se realizavam impressões em pratos e objetos de cerâmica. Posteriormente, o termo foi utilizado por filósofos gregos para denominar as "ideias originais" a partir da qual todas as coisas eram derivadas - por exemplo, todos os cavalos do mundo seriam representações do arquétipo / ideia original de o que seria um cavalo perfeito.

Quando analisando os mitos que deram lugar à hipótese do monomito, com foco mais no estudo psicológico das personalidades envolvidas na jornada Campbell levantou oito arquétipos:  

  • Herói: O protagonista da história que se vê obrigado (pois faz isso reticentemente) a sair de sua vida normal e enfrentar um novo mundo, e que tem por missão enfrentar perigos mortais para trazer de volta a seu mundo um prêmio, uma recompensa, que potencialmente salva o mundo. Em nível psicológico, representa o leitor e a sua transformação é um rito de passagem para a maioridade, um aprendizado de vida. 
  • Mentor: O sábio que orienta o herói em sua jornada, e que representa a figura que o herói pode vir a ser um dia. É a imagem do pai que ensina e motiva, e morre durante a jornada do herói para dar espaço para que o herói se torne seu próprio mentor.
  • Guardião de limiar: É o que protege as entradas do novo mundo daqueles que não têm valor, e serve para testar a capacidade e o comprometimento do herói. Pode ser vencido ou transformado em uma aliado. Em termos psicológicos, representa as dificuldades interiores, os medos e as incertezas do herói.
  • Arauto: É aquele personagem (ou elemento) que anuncia a mudança por vir e os desafios a serem superados. Internamente, é a motivação do herói em conhecer e buscar superar as mudanças.
  • Camaleão: É o personagem, geralmente do sexo oposto ao do herói, que tem personalidade instável ou mutável.  Psicologicamente, é aquele que trás dúvidas e suspense, sendo por isso um catalisador de mudanças no herói. 
  • Aliado: O aliado geralmente é uma alma gentil, inocente, que enfrenta a jornada lado a lado com o herói, e que em algum ponto desiste ou desaparece, apenas para reaparecer em um momento crucial e salvar o dia. Na psicologia, representa o lado humano do herói, que traz reflexões que o lembram de como ele era antes de perder a inocência, e de como são as pessoas que ele está lutando para salvar.
  • Sombra: São personagens que, ainda não se auto identificando como "maus", enfrentam o herói na busca de evitar que ele atinja seu objetivo. Na narrativa, são instrumentos que fazem com que o herói cresça e dê o máximo de si, no lado psicológico representam as próprias dificuldades internas do herói, como suas culpas e traumas.  
  • Pícaro: Os pícaros são aqueles personagens que veem a sociedade de fora, mostrando seus pontos fracos e fazendo piada deles. Servem para mostrar os erros do herói e trazê-lo de volta à realidade, quando ele começa a se achar muito importante, sendo catalizadores de transformações de uma maneira positiva. Nas histórias servem como alívio cômico após momentos de grande tensão, e internamente representam o lado do próprio herói que questiona tudo, inclusive a si mesmo e as suas crenças.

Para que servem os arquétipos na escrita de um livro

O grande poder dos arquétipos é que eles falam diretamente ao subconsciente do leitor, e com isso reforçam a credibilidade do personagem e permitem que, com poucas palavras, o leitor saiba o que esperar de um determinado personagem.

Isto não quer dizer que seus personagens devam sempre seguir determinados arquétipos, muito pelo contrário: você deve pensar em termos de arquétipos quando definindo seus personagens justamente para ter ideias sobre quais arquétipos podem ser seguidos mais fortemente e quais arquétipos podem ser utilizados apenas para reforçar ao leitor que seus personagens são reais, diferentes de todos os demais.   

Por exemplo, ao aparecer na narrativa um velhinho com longas barbas, o leitor já vai associá-lo, pela aparência física, com um mentor. Agora, se este personagem dá um conselho bom para cada três ou quatro conselhos ruins, logo o leitor vai perceber que ele não segue aquele modelo, sendo talvez um pícaro ou mesmo um sombra.

Vale lembrar, ainda, que há muitíssimos mais arquétipos que os oito sugeridos por Campbell: A velhinha bondosa, a mãe dedicada, o executivo obstinado, o político corrupto... Pesquise na internet e você terá uma lista imensa de ideias arquetípicas, que já fazem parte do imaginário popular brasileiro ou internacional. 

O maior cuidado que você deve ter quando utilizando arquétipos para dar corpo aos seus personagens é não justamente seguir exatamente o que o leitor ou a plateia espera deles, porque senão eles se tornam estereótipos, e a obra inteira corre o risco de se tornar repetitiva e enfadonha.  

A grande vantagem de pensar em arquétipos, quando elaborando seus personagens, é que eles oferecem uma forma estruturada para se pensar em figuras recorrentes em histórias que já se encontram no subconsciente coletivo do leitor. 

Ao criar um personagem, crie um esqueleto a partir de um arquétipo, conforme a função que o personagem terá na história; e a partir daí preencha este esqueleto com músculos, pele e outros adereços de forma a torná-lo uma pessoa real, onde o leitor não verá um arquétipo, mas um conjunto de características que compõe um verdadeiro ser humano.

Para concluir, vale mencionarmos uma divertida e instrutiva frase de Christopher Vogler, brincando com arquétipos e etapas da Jornada do Herói:


“Escrever é muitas vezes uma jornada perigosa. Baixa autoestima ou confusão podem ser a Sombra que congela o seu trabalho, um editor ou seu lado autocrítico pode ser o Guardião do Limiar que bloqueia seu caminho. Acidentes, problemas de computador e falta de tempo e disciplina podem nos atormentar e provocar como Pícaros. Sonhos pouco realistas de sucesso ou distrações podem ser Camaleões que nos tentam, confundem e deslumbram. Prazos de entrega, decisões editoriais e a luta para vender seu trabalho podem ser os Testes e Desafios que fazem parecer que morremos, mas Ressuscitamos para escrever novamente” 


Espero que tenha ficado claro como você pode utilizar arquétipos como base para criar personagens melhores; mas se não, já sabe - Comente, pergunte, que estamos aqui para isso!

E você, já usou arquétipos para criar personagens? Tem alguma dica? Comente e compartilhe com os colegas escritores!



Acompanhe minhas dicas para escritores no YouTube, e assine meu canal lá para não perder as novidades: https://bit.ly/AlexandreLobao 

Dúvidas, comentários, sugestões? Comente aqui, ou fale comigo em minhas redes sociais: 

Gostou?  este post!