31 de agosto de 2012

Dúvidas comuns de quem está começando a escrever

este post iremos responder a diversas questões colocadas em um comentário pelo colega fun, que acompanha o Vida de Escritor, neste post anterior com uma coletânea de perguntas e respostas. Obrigado pelas perguntas, "fun", e fique à vontade para continuar perguntando!
Ainda estão na fila - não me esqueci! - outras questões colocadas nos comentários pelos colegas escritores Pedro Pinto, sobre histórias character-centric (estrutura de trama com foco no personagem ao invés de na trama) e sugestão de bibliografia, e Natalia, sobre cliffhangers e jumpcuts.

Vamos, então, às perguntas de "fun":
Questão: Quando for enviar meu livro para um editora, devo enviar apenas um resumo ou o livro inteiro?
Resposta: Depende da editora. Antes de mais nada, você precisa escolher a editora: pesquise nas livrarias e internet se ela publica livros no gênero que você quer enviar.  Após esta seleção, visite o site da editora e procure pela seção para autores que explica como enviar seu original.  Na remota possibilidade da editora não ter esta informação no site, entre em contato com ela para descobrir como ela espera o livro.  Há desde editoras que pedem que você envie um resumo do livro via formulário no site, até aquelas que simplesmente dizem que não avaliam originais, passando por aquelas que esperam o livro em papel, "à moda antiga".
A regra de outro é essa: Informe-se, pois os originais que chegam em formato não esperado são simplesmente descartados.
O background de um personagem é o somatório de todas as suas experiências anteriores, aquelas não aparecem no livro mas que direcionam suas ações"
Questão: Caso a editora aceite publicar meu livro, precisarei pagar algo? E se sim, quanto?
Resposta: De novo, depende.  Quando uma editora quer publicar seu livro, digamos, "de verdade", você não paga nada, apenas assina um contrato e pode eventualmente (embora seja raro no Brasil) receber algum valor a título de adiantamento dos royalties já neste momento. Você vai encontrar editoras que dizem que avaliaram seu livro e querem te cobrar pela publicação: muito cuidado neste caso, pois há editoras que tem linhas para "novos autores" pagas pelos próprios autores que funcionam muito bem, e outras que são meras gráficas que não vão realizar o trabalho de distribuição para as livrarias adequadamente. Neste caso, sempre pesquise as obras já publicadas pela editora.

Questão: Quanto, mais ou menos, um livro pode render?
Resposta: Depende (neste ponto, vocês já devem estar cansados desta resposta...).  Usualmente, só UM livro rende muito pouco, para começar a ganhar valores mais significativos o autor precisa ter vários livros publicados - a venda de um novo livro sempre aumenta a venda dos anteriores.  Falando em unidades, o autor normalmente ganha entre 7% e 10% do valor de capa do livro, ou seja, se seu livro é vendido a R$ 30,00 na livraria, você ganha em torno de R$ 3,00.  Para ganhar muito, só vendendo muito.


Questão: Como fazer publicidade para meu livro quando ele estiver publicado?
Resposta: Há vários livros sobre publicidade e marketing de produtos, inclusive alguns mais recentes sobre como fazer publicidade no Facebook, Twitter, blogs e etc.  Há muito material, e infelizmente nenhuma resposta pronta.  De minha parte, estou coletando material com outros escritores (sugiram nos comentários!) para compor um curso específico de marketing para escritores, que deve acontecer provavelmente no primeiro semestre do ano que vem, se tudo der certo.

Questão:
Se eu, por exemplo, citar algum trecho em que se passe nos EUA, terei de escrever os diálogos de um personagem americano em inglês?
Resposta:  It's up to you. Não é necessário, e com certeza não é recomendável escrever longos diálogos em outra língua, pois pode tornar sua obra inacessível a quem não a fala. Por outro lado, vale lembrar que realizar uma pesquisa mais profunda sempre é interessante, pois não é só a língua que caracteriza o personagem ou o ambiente. Por exemplo, como se chama o segundo grau nos Estados Unidos? Quais os times de baseball ou futebol americano que tem maiores torcidas no estado em que o personagem nasceu?  Como é a arquitetura da cidade em que ele vive? Há moradores de rua? Onde as pessoas da classe social do personagem costumam morar - no centro, em prédios (como em Nova Iorque) ou em casas longe do centro (como em Los Angeles)? E por aí vai, a pesquisa vai te dar um bom direcionamento do que falar. Para meu livro O Nome da Águia, por exemplo, as pesquisas sobre a antiguidade dos hebreus permitiram que eu usasse nomes comuns tanto para acidentes geográficos ("Yam HaMelach" ao invés de "Mar Morto") quanto para personagens ("Qanah Bem Adam" ao invés de "Caim Filho de Adão"). Estes detalhes, mesmo que não explicados ao leitor - na verdade, o ideal é NÃO explicar, o leitor não quer saber de sua pesquisa, mas da história! - dão um toque de veracidade que é impossível sem a pesquisa.

Questão:
Eu posso citar algum outro livro, um filme, ou até mesmo marcas (de carro, ração, sei lá) sem pagar direitos autorais?
Resposta: A princípio, sim. Conversei um tempo atrás com o André Vianco sobre o fato de ele mencionar a Casa do Pão de Queijo e outras marcas em seu livro, e perguntei se lhe pagavam algo; ao que ele me disse que não pagavam, mas que ele gostava de colocar estas coisas para reforçar frente ao leitor o senso de realidade da história. Então, falar que o personagem voou de TAM ou que tomou um Red Bull não é problema, mas caso a marca seja algo central na história, e em especial se ela aparecer em um contexto negativo, sugiro consultar seu advogado antes de publicar o livro!  ;)

Questão:
Vejo muito sobre o "background" no blog, o que seria isso?
Resposta: Pergunta difícil... Depende? :)  Depende de que "background" estamos falando. Background do autor, por exemplo, seria toda sua experiência de vida, todos livros que leu, filmes que viu, histórias que ouviu etc, que podem de alguma forma lhe influenciar na sua produção. Background do personagem é a história de vida dele, mesmo que não fique explícita para o leitor.  Ao elaborar o background de determinado personagem, por exemplo, você pode escrever que ele sofreu um abuso de um tio quando era criança; mas no livro isso pode nunca ser dito, o que o leitor vê é apenas uma raiva ou nojo do personagem em relação ao tio ou em relação a qualquer situação onde ele ache que alguma criança pode estar sendo abusada. É o passado do personagem que direciona seus passos.

Questão:
Se eu conseguir uma editora para publicar o livro, eu mesmo precisarei fazer a capa ou eles pagarão para um profissional fazer? E se um profissional fazer a capa, eu precisarei pagar para isso?
Resposta: Uma editora "de verdade" não vai te cobrar nada: ela irá contratar um capista, um revisor, um diagramador, um ilustrador e qualquer outro profissional necessário para transformar seu original em um livro. Esta é uma das vantagens em se publicar por uma editora, ao invés de se auto-publicar: além de você não precisar se preocupar com todos estes detalhes, você ainda contará com os serviços de profissionais gabaritados, não correndo o risco de seu trabalho parecer amador - como acontece com muitos livros editados por contra própria.

Mais dúvidas? Deixe seu comentário e seja mais um labutando nesta Vida de Escritor!

Gostou?  este post!

8 comentários:

fun disse...

Valeu Alexandre Lobão. Estava com essas dúvidas a um tempo, quando ainda pensava em um tema para um livro. Agora que esclareceu minhas dúvidas, vou voltar a escrita!!!

Alexandre Lobão disse...

Coloquei você na frente de outros porque você parecia mesmo desesperado! ;)

Brincadeira! Volte ao trabalho e depois venha compartilhar sua experiência conosco!

[]s

K. disse...

Uma dúvida que eu ainda tenho é sobre ilustrações em livros (e não achei nenhuma explicação específica sobre isso aqui)...

Eu tenho um amigo que está escrevendo um livro e, conforme segue a história, ele vai adicionando uma ou outra ilustração feita por ele mesmo à lápis (o cara é fera). Ando passando o olho na história e posso dizer que esses desenhos são perfeitamente condizentes com determinados pontos do texto. Quais as chances da editora aceitar a inclusão delas em se tratando de um romance voltado para jovens, levando em conta que hoje temos casos semelhantes (e de sucesso), como as "Crônicas dos Senhores de Castelo"?

*E só para constar: incrível blog! Já sou fã!

Alexandre Lobão disse...

Oi K.!
(Você por acaso gosta de ternos pretos e faz parte de uma força que policia alienígenas na Terra? Se não, então é um homônimo seu!)

Usualmente as editoras tem uma lista de ilustradores cadastrados a que ela sempre recorre na produção de seus livros, como uma forma de manter um certo padrão visual. Obviamente, sempre há espaço para novos ilustradores, caso o editor goste deles.
Vale dizer, inclusive, que há editores que pedem o texto "cru", sem formatações especiais ou ilustrações, para poderem se concentrar na qualidade do texto. Isso é mais comum em livros infantis, mas acredito que pode ocorrer o mesmo para textos adolescentes.
Dito isso, a regra então é a seguinte: O ideal é não perder tempo ilustrando, pois gasta-se muito tempo para produzir uma boa ilustração, incluindo a arte-final. Assim, sugiro neste caso escrever o livro, fazer rascunhos das ilustrações apenas para dar uma visão geral do que seria a obra na visão do autor, e preparar duas ou três ilustrações completas para mostrar ao editor.

* Ah, obrigado pela força!

lucas luciano disse...

É antiético mandar um original para mais de uma editora ao mesmo tempo não é?? O mais certo é mandar de uma a uma, caso a anterior não aceite né?
E qual é o momento certo para conversar com uma editora? Quando tiver o livro completamente pronto? E pegando carona na pergunta do Agente K... Além de escrever eu também desenho... Será que eles aceitam que eu faça as ilustrações e a capa? Ou ao menos participe da criação das mesmas? Ouvi dizer que a criação da capa e das ilustrações é algo fora do alcance do autor, que ele apenas analisa algumas opções de capa, e escolhe a que prefere... E tudo mais, mas eu gostaria de ao menos participar dando palpites na criação da capa e etc... Será que isso é possível?

Alexandre Lobão disse...

Oi Lucas,
Te respondo em um futuro post, em breve, ok?
E Obrigado pela participação!

[]s

Diogo disse...

Olá amigo, minha dúvida é a seguinte: Estou para terminar meu primeiro livro, é melhor registrar ele em meu nome antes de enviar a qualquer editora?

Alexandre Lobão disse...

Oi Diogo,
Te respondo no próximo post, fique de olho!
[]s